Todos os projetos irão, inevitavelmente, ter um fim…

…e não há nada de errado nisso.

Essa semana Tony Zhou do Every Frame a Painting, um dos canais que acompanho/acompanhava no YouTube, publicou o pós morte do projeto no Medium.

Como entusiasta do estudo audiovisual, pude aprender bastante com os vídeos que ele e Taylor Ramos produziam. Se você não conhece o canal, esse foi um dos últimos vídeo feitos em 2016:

The Marvel Symphonic Universe

Eles decidiram encerrar o projeto agora que começaram em empregos novos, estão com outros projetos e simplesmente não continuarão com os vídeos. Desejam usar a energia em prol dos novos desafios que estão enfrentando.

Muita coisa acabou nesse ano e sem que estivéssemos esperando

Se você parar um instante para refletir sobre o ano de 2017 (aproveitando que estamos nessa época de dezembro) você certamente irá se recordar de outras coisas que acabaram.

Eu me lembro, após esse breve exercício, de outros projetos e situações que foram interrompidas:

  • Um podcast que foi encerrado;
  • Uma série foi cancelada;
  • Um colega foi demitido/saiu da empresa;
  • Um serviço foi descontinuado;
  • Um projeto foi abortado;
  • Um estudo que foi abandonado;
  • Um curso que foi adiado;
  • Uma banda que foi separada;
  • Um game que foi largado;
  • Uma empresa foi fechada;
  • Etc…

Então, os projetos, as etapas, os ciclos — não importa como você os chama — eles uma hora, inevitavelmente, acabam.

E os motivos de terem acabado podem ser os mais variados

Se essa foi uma escolha consciente, justa com todos os participantes e com si mesmo, qual o problema?

Podem existir várias motivações para tomar a difícil decisão de terminar um projeto que estava indo bem ou que dedicamos tanto trabalho, por exemplo:

  • Ter mais tempo para si;
  • Iniciar outro projeto;
  • Se dedicar ao trabalho/família/estudo;
  • Não existe mais satisfação;
  • Buscar um novo caminho;
  • Encontrar novos desafios;
  • Fazer uma mudança de carreira/vida;
  • Uma oportunidade que surge;
  • Uma fatalidade que aparece;
  • O custo x benefício é inviável;
  • Etc…

Cancelar uma coisa por um motivo é muito diferente de desistir ou simplesmente abandoná-la.

E, no fim, nós ficaremos bem

É claro que ficamos chateados quando algo que gostamos e acompanhamos deixa de existir. E com toda a certeza ficamos ainda mais tristes quando temos que parar de fazer um projeto que gostamos.

Mas isso, com o tempo, passa. Sempre passa.

E ao passar, nos vamos seguir com esse ciclo e encontrar outras atividades para preencher o espaço que ficou vazio, seja como público ou como criadores.

O importante é que a inspiração, o aprendizado, a experiência que foi adquirida esteja sempre conosco, assim fazemos com que todo o trabalho nunca seja em vão.

Eu estou aprendendo que na vida e nos projetos: tudo que tem um fim também traz um (re)começo.

Like what you read? Give Icaro Ferracini a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.