Humberto Gessinger rouba a cena, Pitty empolga e CPM comemora 20 anos de carreira no ‘Uberlândia POP’

O rock esquentou a noite fria, deste sábado (22), no Clube Caça e Pesca, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Com um line-up de respeito, o festival “Uberlândia POP”, que bem poderia chamar rock, agitou a galera.

Coube a Humberto Gessinger, Engenheiros do Hawaii, abrir a festa. O gaúcho, que veio à Uberlândia no ano passado e apresentou a nova turnê intitulada “insular”, voltou este ano, porém quem conferiu os dois shows notou diferença.

Em ambos, Humberto mostrou o novo trabalho solo e relembrou sucessos da carreira. Contudo, em 2014, a apresentação foi mais ritmista, com uma “pegada” mais regionalizada e um repertório mais diversificado, alternando canções novas e sucessos etenizados.

Já nesta noite de sábado, o músico, talvez por se tratar de um festival, fez um som mais tradicional, com solos de baixo e guitarra, se aproximando, ao máximo, das músicas originais que o consagraram em mais de 30 anos de carreira.

Humberto fez o famoso tipo roqueiro, balançou os cabelos, tocou e pulou ao mesmo tempo e, por diversas vezes, citou Uberlândia . Só com isso, a massa já ia à loucura, imagina com ele tocando, na sequência, “Refrão de Um Bolero”, “Piano Bar” e “Pra Ser Sincero”, a multidão foi ao delírio.

Claro, a sanfona não foi esquecida e o sucesso “Somos Quem Podemos Ser” teve um toque especial. Antes de passar a bola para a baiana, Pitty, Humberto encerrou a apresentação com o hit “Infinita Highway”.

Com essa energia, a bela, Pitty subiu ao palco e trouxe para o público uberlandense a mais recente turnê da carreira, “Sete Vidas”. Com muito gás, a garota iniciou a apresentação com a faixa que o abre o mais recente álbum da artista, a qual tem o mesmo nome da turnê.

A baiana soube mesclar muito bem os grandes hits com as novas músicas, além de variar momentos hardcore com as populares “baladas”. A cantora relembrou músicas de todos os álbuns da carreira, com destaque para o “Admirável Chip Novo” e “Anacrônico”.

Sucessos como “Teto de Vidro”, Admirável “Chip Novo”, “Na Sua Estante”, “Equalize”, “Pulsos” e “Máscara”, fizeram o público pular e cantar cada acorde junto. A baiana finalizou a performance, com o mais novo sucesso do atual disco “Serpente”

Foto: Rogério Mamede

Na sequencia, quem comandou a festa foi o CPM22. Com o punk forte e uma lembrança ao Reggae, os paulistanos fezeram a massa criar aquelas famosas, “rodinhas”e, com três acordes e letras de fácil compreensão, o grupo agitou a noite, mais do que especial, justamente na noite deste sábado 22 de agosto, a banda completou 20 anos de estrada e para comemorar presenteou os fãs com um show com quase 1h30 de duração, o qual contou com todos os sucessos da banda. Muita gente bateu cabeça ao som de “O Mundo da Voltas”, “Desconfio”, “Regina Let’s Go”, “Ontem” e várias outras.

Depois da pegada forte do punk, coube à sensação, Onze 20, com a mistura do reggae e rock encerrar a noite. Por conta do grupo ter subido ao palco após às 4h e pelo tempo estar, bastante frio e muitas pessoas estarem desprotegidas, muita gente foi embora antes da apresentação da banda, de Juiz de Fora. Os mineiros que estouraram com a música “Querendo Te Encontrar”, mostraram afinação, potencial e muita animação.

A organização do evento teve alguns problemas. Em determinado momento do festival, a pista Premium foi liberada. O local do evento é muito ruim para locomoção e sem acessibilidade para as pessoas com deficiência, além dos bares serem mau distribuídos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.