Mel Lisboa interpreta a alucinada Rita Lee em Uberlândia

Apesar de ser a “eterna” Anita, personagem principal da minissérie “Presença de Anita”, exibida pela Rede Globo em 2001, a atriz Mel Lisboa consolidou a sua carreira, nesses 14 anos, interpretando diversificados papéis. E agora, a bela irá encarnar a rainha do rock do brasileiro, Rita Lee.

“Rita Lee Mora ao Lado, o Musical” é baseado na biografia da roqueira, intitulada “Rita Lee Mora ao Lado — Uma Biografia Alucinada da Rainha do Rock”.

Meio alheia ao mundo em que vivia, a ruiva desde criança se mostrava diferente, já quis estudar astrofísica e já foi considerada a “ovelha negra” da família. E esta trajetória repleta de dúvidas, ansiedades, lutas e mudanças, é interpretada e musicada ao som dos sucessos da artista.

É possível imaginar um espetáculo divertido, de reflexão e com muita música boa. Além do elenco, a peça conta com seis músicos.

Se você pensa que a música e a interpretação serão as únicas artes presentes no palco, está enganado, o grafite dará um toque especial no cenário.

A temporada em Uberlândia será de quatro a seis de dezembro,os preços variam de R$ 40 a R$ 120 reais. Para garantir seu ingresso vá ao Teatro Municipal de Uberlândia (12h ás 18h-terça a sexta ), pagamentos somente em dinheiro — aceitamos o Vale Cultura, pela internet ou por Telefone: 3224–1674

Ficha Técnica

Espetáculo “Rita Lee Mora ao Lado”

Baseado na obra de Henrique Bartsch.

Roteiro e Texto: Debora Dubois, Márcio Macena e Paulo Rogério Lopes

Direção: Debora Dubois e Márcio Macena

Direção Musical: André Aquino

Elenco: Mel Lisboa, Carol Portes, Rafael Maia, Yael Pecarovich, Samuel de Assis, Fabiano Augusto, Débora Reis, Antonio Vanfill, César Figueiredo, Fábio Ventura, Flávia Strongolli, Nanni Souza, Nellson Oliveira, Talitha Pereira

Músicos: Felipe Cruz, Gregory Paoli, Junior Gaz, Marcio Guimarães, Robson Couto

Cenário: Debora Dubois e Márcio Macena

Produção Musical e Arranjos: André Aquino e Rafael Langoni

Trilha: Márcio Macena

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.