Quem

Vago
por ruas que nunca andei.

Olho
cores que nunca retive.

Encontro então alguém de cujo rosto não me recordo.
Traço paralelos, crio rascunhos - pontes mnemônicas, tentando encontrar o alguém
na — teia — de — sinapses.
Falho.

Encaro o rosto, fito-o,
ainda não o reconheço.

Prendo a atenção, aguço-a e percebo:
O alguém tem meu rosto,
mas não sou mais o alguém.

Tateio suas veias pulsantes,
Sentindo o líquido vital
T
R
A
N
S
C
O
R
R
E
N
D
O
Alguém sequer se toca
- acha que suas veias não mais pulsam.

Observo-o e não titubeio:
penso logo na questão que se compõe
(Mnemonicamente).
Entoo:

"Faz tempo que não te vejo"
Alguém replica:
"Faz tempo que não me mostro".

“E como me vê você?”
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.