Mudei radicalmente minha vida — e foi mais fácil do que parecia

Mudar nunca é fácil.

Muitas vezes reclamamos de uma situação, de como nos sentimos insatisfeitos, mas a verdade é que nos acostumamos a ficar insatisfeitos.

Estar insatisfeito também pode ser cômodo. Para evitar as dificuldades da mudança — o trabalho de mudar, os sofrimentos de sair do que parece estabelecido e garantido — tendemos a reclamar da nossa infelicidade, mas não solucioná-la.

Escrevo este texto justamente para contar da minha mudança, uma mudança de país, mas que inevitavelmente acompanhou muitas coisas.

Escadaria do Selarón — Rio de Janeiro

Por 25 anos eu vivi no Rio de Janeiro. Fiz amigos, tive relacionamentos, passei por experiências boas e ruins. Foi no Brasil também que fiz faculdade em Psicologia, mestrado em Psicanálise, e como psicanalista trabalhei acolhendo em meu consultório clientes com as mais diversas questões.

Porém, sentia que algo importante ainda faltava. Algo radicalmente diferente do que eu já conhecia como mundo. Às vezes, precisamos nos empurrar para fora da zona do conforto e enfrentarmos desafios maiores. Assim podemos crescer.

Qualquer mudança na sua vida significa abrir mão das coisas que você considera estabelecidas. Pensamos que, se não mexermos nas coisas, elas permanecerão exatamente do jeito que estão, como se garantidas, e isto não é verdade.

Você pode passar o dia todo em casa, com medo de sair à rua porque algo de ruim pode lhe acontecer lá fora, e isso não garante que um acidente não lhe venha ocorrer assim mesmo, alcançando-o onde está.

Você pode investir sua carreira ou seu dinheiro numa direção que parece promissora, e as coisas mudarem, para então você se ver sem chão.

O que pode parecer desesperador num primeiro momento trata-se na verdade de um simples recado da vida. É preciso manter-se em movimento. Esteja sempre fazendo algo, não fique parado, e você estará mais preparado para lidar com aquilo que não podemos controlar.

Numa praia do Rio de Janeiro…

Se nada é garantido, a única coisa que realmente pode fazer a vida valer a pena é termos feito aquilo que desejamos.

Sabendo disso, decidi mudar. Isto significava uma coisa: arriscar-se.

Com uma vida acadêmica e profissional se desenvolvendo como seria normal, poderia tentar um desafio maior. Assim, fui aceito numa Universidade da Espanha, país do qual tenho minha outra nacionalidade (sendo um brasileiro-espanhol), para continuar meus estudos em Psicologia, ampliando minha carreira em novos horizontes.

Mas sair do país levantava também questões como se afastar de amigos e laços importantes para mim, não conhecer os caminhos comuns e as instituições que regulamentam uma sociedade diferente, enfrentar uma outra língua (pois mesmo conhecendo-a formalmente, nunca é igual a língua que desde sempre você se expressou).

Qualquer mudança envolve enfrentar angústias. E para enfrentarmos as angústias precisamos nos empenhar em novas coisas.

Pelas ruas de Madrid

Fazer novos amigos, aprender como funciona um mundo diferente do seu, descobrir novos meios de pensar e se expressar. Sair de um lugar de aparente segurança para reinventar-se como pessoa. Isso é também muito empolgante.

E a verdade é que hoje isso não é tão difícil como parece.

Com a internet, por exemplo, podemos estar sempre em contato com nossa família e amigos, e milhares de quilômetros desaparecem numa mensagem instantânea do Whatsapp, numa chamada de vídeo do Skype, ou assistindo as atualizações diárias de nossas vidas pelo Instagram. A internet facilita também para descobrirmos os acontecimentos locais de onde estamos, os nichos em que podemos tentar nos inserir.

Finalmente, mesmo meu trabalho — que inicialmente fora uma grande questão — não foi afetado.

Continuo atendendo clientes brasileiros que querem comigo fazer terapia, através de ferramentas como Skype. A verdade é que, em qualquer lugar do mundo, continuo sendo psicanalista e estando disponível para quem precisar para aquilo que motiva minha vida: ajudar as pessoas a melhorarem também suas vidas.

O que para muitos podem parecer impossibilidades, quero apenas demonstrar que a maioria das dificuldades para o que desejamos parte de nós mesmos.

Dificuldades existem, mas para cada angústia existe também criatividade para encontrarmos alternativas para lidarmos com ela. A psicanálise trata, sobretudo, disso.

Mudar nunca é fácil. Mas ainda assim pode ser mais fácil do que você pensa. No meu caso, era explorar o Velho Continente (em textos futuros pretendo contar mais sobre isso), mas para você pode existir algo diferente apenas esperando você se lançar.