IDIOTICE DA ESPÉCIE

Parece que não adianta muito.
Os conflitos são os mesmos de sempre:
muçulmanos x judeus
russos x americanos
burgueses x proletários
senhores x escravos
cristãos x todo mundo
homens x mulheres

Não há novidade alguma nisso
as máscaras mudam, as gerações caem & são substituídas
o nome das práticas mudam, mas em essência permanecem seus fins
seus resultados acabam sendo não muito diferentes do que sempre foram

& os grandes homens & grandes mulheres
os melhores já produzidos pela humanidade
trabalharam até a exaustão
até o limite de suas forças
tentando mudar radicalmente o destino da espécie
mas, seu trabalho sempre permanecerá incompleto
pois — & isso eles sabiam & sempre avisaram — 
sua oposição sempre voltará
& sua oposição é sempre a maioria cega & inconsciente
a massa de joão-ninguéns que sempre retorna
para massacrar, difamar, perseguir & assassinar
os gênios dedicados à transformação a partir do potencial humano

Nietzsche chamou a isso de “os últimos homens”
& não adianta, não existe forma de abolir o seu retorno & nascimento
ao que parece

Talvez se possível for uma educação genética profunda
mas que pode passar como uma violência ética contra a espontaneidade
& a loteria genética
 — seria isso uma espécie de eugenia, não? — 
ou até poderia ser considerado condicionamento hipnagógico
retirado de “Admirável Mundo Novo” & Aldous Huxley
sabia as implicações éticas desse processo
& não apoiaria o retorno de Hitler ou de Gengis Khan
ao planeta.

No entanto, novos Mark Chapmans retornam
enquanto Van Goghs são ridicularizados pelos famintos
& pelos ignorantes cheios de dinheiro,
porque não podemos evitar o nascimento & o eterno retorno
da idiotice na espécie.