L’AMOUR EST UN OISEAUX REBELLE

Tendo o peito constantemente saqueado por estrelas & canções, a pele se torna campo de provas, batalha dos sentidos. Constantemente perdido & desolado, sigo em passos trôpegos entre nenúfares esmaecidos. Reconheço no ronco das árvores o soluço talhado do Sol esquecido.

E a noite me risca as costas com unhas de nitroglicerina & me morde com dentes de cavalo. E saltam, entre as frestas dos ossos, memórias estranhas, palavras de encantamento. O Amor corre nu pelo meu corpo tal qual arrepio.

Tudo mudou desde o sangramento do último suspiro. A alma se entende como um arco atirando longe meus pensamentos.

Minha boca, pescada pela tua, sussurra orações mágicas & dança no veludo elétrico da tua saliva. Não quero ser salvo.