O começo de um sonho

Quão longe você iria para realizar um sonho? Estaria disposto a enfrentar preconceito, afastamento da família e cortes de orçamento? Muitas pessoas, em uma realidade hipotética, talvez dissessem que sim. Guilherme Mauad pode afirmar isso. Com apenas 17 anos de idade, ele, há cerca de um ano, faz drag e anseia crescer e se tornar consagrado neste ramo artístico. Morador de Teresópolis, no Estado do Rio, Guilherme se monta, inspirando outros a seguirem a arte Drag Queen.

Guilherme após dar vida à sua drag queen por meio da arte. Imagem retirada da página de Guilherme no Facebook.

O reality show RuPaul’s Drag Race, no qual as drags competem para conquistar o título de America’s Next Drag Superstar, fez Guilherme enxergar o lugar a que pertencia, impulsionando-o a seguir seu sonho. A partir desse programa, ele percebeu que ser drag é como uma extensão de seu corpo, que permite a aceitação de si mesmo, porque, ao se montar, possibilita mostrar todas as faces de sua personalidade e, assim, representar a pessoa que Guilherme é de maneira artística. Tanto que o nome da sua Drag é o mesmo que o seu, já que se ela apresenta sua essência não poderia chamar-se de outra forma. A seguir, confira um vídeo de uma das apresentações artísticas de Guilherme:

Muita coisa que Guilherme aprendeu sobre como se produzir e se montar foi por meio do Youtube, o que aprimorou seu lado artístico. Ele sempre gostou muito de desenhar e isso foi uma vantagem na hora da maquiagem da Drag. “Fazer maquiagem de drag é fazer um desenho no seu próprio rosto, desenhar aquilo que você está sentindo no momento”, afirma. Suas roupas são improvisadas, mas sonha em aprender a costurar para poder criar outras, cada vez mais com a cara da sua Drag.

Um dos desenhos que Guilherme fez e postou nas redes. Imagem retirada da página de Guilherme no Facebook.

A aceitação em sua família não foi nada fácil. Sua mãe ficou chocada, pensava que o fato de Guilherme querer ser drag queen significava que seu filho queria se tornar transexual. Ele, por sua vez, teve paciência para diferenciar drag e trans para sua mãe, e também desconstruir o caráter pejorativo que ela usou sobre transexuais. Com o pai foi ainda mais complicado: ele mal aceitava o fato do filho ser gay. Ao surgir o meio artístico da Drag em sua família, seu pai afirmou que Guilherme podia ser gay, mas não “afeminado”, em outras palavras, se vestindo como uma mulher. A situação ficou mais crítica quando ele cortou o dinheiro do filho ao perceber que isso poderia ser utilizado para ajudar a construir a imagem de drag. Guilherme teve que improvisar diante daquela situação. Passou a usar coisas ao seu alcance, como roupas da mãe, da irmã, maquiagens que já possuía e gastar o dinheiro restante comprando apenas o necessário, como perucas. Por mais que a família seja a base de uma pessoa, Guilherme nunca se sentiu abalado a ponto de desistir de seu sonho. Ele afirma que mesmo se não tivesse o apoio de amigos e da maioria de seus familiares ainda encontraria forças para seguir seu objetivo. A questão do pai pesa, mas ele tampouco mudaria seu jeito de ser ou mudaria a Drag para que as coisas ficassem mais fácies. Ele se monta porque ama.

Focado em mudar cabeças, Guilherme não tem problemas em ajudar as pessoas a se desconstruírem em relação a drag queens, travestis e transexuais. A ignorância não é algo que chega a irritá-lo, porque ele sempre busca mostrar que não apenas o mundo drag, mas todo o mundo LGBT merece respeito. “Todos são pessoas também e devem ser tratados dessa maneira”, afirma.

Forte, persistente e DIVA, Guilherme é um exemplo a ser seguido. Sua primeira experiência foi no Sancho Panza, bar de sua cidade. O estabelecimento foi o ponto de partida de Guilherme, que deseja performar muito mais e ganhar sua vida vivendo esse sonho de drag plenamente. Suas ambições para alcançar isso são sair de Teresópolis — já que a cabeça das pessoas de lá, em sua opinião, é “mais fechada” — e ir para uma cidade maior, como São Paulo, aumentando as chances de ser reconhecido e, assim, também as oportunidades de seu crescimento como drag queen.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Imma (drag) queen!’s story.