Vamos pensar?

No mundo de hoje, vivemos em uma era de imediatismo, temos e controlamos tudo, com um clique ou toque, queremos ser e ter tudo para nós mesmos, muitas vezes não ligando para o outro. Começamos a ver as consequências dessas nossas ações, doenças, dependências de drogas, tecnologias e o mais importante, a falta de empatia e amor pelo próximo.

Como já dizia Zygmunt Bauman (1925–2017), “A era da modernidade líquida em que vivemos — é um mundo repleto de sinais confusos, propenso a mudar com rapidez e de forma imprevisível…”. As relações nos dias atuais, estão se tornando tão simplistas, voláteis e transitórias, que não sabemos o que queremos do outro e nem ele de nós, buscamos por algo que não sabemos.

O indivíduo dentro do mundo moderno busca criar em suas relações laços que sejam frouxamente atados, o que implica a criação de vínculos, mas, que se necessário seja facilmente desfeitos, sem demora; ou seja, como um apertar de laços e ao mesmo tempo mantê-los frouxos.

O que será que esta acontecendo com a nossa geração? Não sabemos mais olhar para o outro, não temos mais coragem de dizer a verdade, preferimos muitas das vezes ignorar e deixar que o outro pague por nossa falta de humanidade. PRECISAMOS FALAR MAIS, SERMOS MAIS ABERTOS, ENCARAR A REALIDADE NUA E CRUA, LARGAR O CELULAR e DIZER ACIMA DE TUDO A VERDADE.

Por fim, termino essa pequena reflexão com essa frase, que você tire suas próprias conclusões, ate breve!

“Você escolhe, recolhe, elege, atrai, busca, expulsa, modifica tudo aquilo que te rodeia a existência. Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes. São as fontes de atração e repulsão na jornada da tua vivência”. Chico Xavier