Amor e sexo com… robôs?

Você estaria disposto a adquirir máquinas programadas para dar amor sem qualquer necessidade de recíproca, tendo a capacidade de suportar ilimitadamente nossos atos egoístas?


Encontrei há algum tempo um texto que me chamou a atenção: “Robô programado para amar tem ‘ataque obsessivo’”. Segundo a matéria, o robô Kenji, programado para simular emoções humanas e criado pela empresa japonesa Robotic Akimu, teria perdido o controle após passar um dia no laboratório ao lado de uma pesquisadora. Quando ela estava saindo do recinto, Kenji recusou-se a deixá-la ir embora, bloqueando a porta de passagem e exigindo abraços, em um súbito ataque de carência emocional.

A história, que repercutiu em blogs como Gizmodo e acabou por ser reproduzida em dezenas de sites brasileiros, seria sensacional; pena que é falsa. A lorota do robô que amava demais foi criada pelo blog MuckFlash, cujo lema, sugestivamente, é uma citação de Mark Twain: “Consiga os fatos primeiro; depois, distorça-os como quiser”.

Não pretendo, porém, escrever mais um texto sobre como blogueiros e jornalistas são facilmente ludibriados pelo que encontram na internet, até porque já fiz isso em um post intitulado “Sobre vídeos engraçados, risadas fora de hora e um ceticismo necessário”. A leitura deste hoax acabou, na verdade, tornando-se o mote para que eu recordasse de um singelo livro escrito por David Levy, especialista em inteligência artificial, que, em sua obra Amor + Sexo com Robôs — A Evolução das Relações entre Humanos e Robôs, vaticinou a seguinte previsão: humanos começarão a fazer sexo com autômatos daqui a 5 anos, e os primeiros casamentos, hmm, interespécies serão realizados em meados de 2050.

Em entrevista concedida a Marcela Buscato, da revista Época, David Levy afirma que solidão será o principal motivo pelo qual pessoas se apaixonarão e farão sexo com máquinas: “Há milhões de pessoas solitárias no mundo porque são tímidas, têm uma personalidade difícil ou não obedecem a padrões estéticos… Elas poderiam ser muito mais felizes se tivessem alguém para amar e para amá-las”. Mais adiante, Levy não hesita em dizer que o sexo passará a ser ainda melhor: “Os robôs serão os melhores amantes do mundo, porque nós poderemos programá-los com todos os manuais e guias sexuais que já foram escritos”.

Embora soem heréticas e aberrantes, não posso deixar de pensar que as palavras de David Levy fazem certo sentido. Afinal de contas, robôs poderão ser moldados de acordo com as predileções estéticas do seu dono. Além disso, a disseminação de doenças sexualmente transmissíveis provavelmente diminuiria. Em sua entrevista, Levy afirma ainda que robôs poderiam ser uma alternativa para a redução de crimes sexuais como pedofilia; uma ideia que, por mais que possua alguma lógica, soa extremamente repulsiva para mim. Mas o caso é que, digressões éticas e filosóficas à parte, não creio que muitas pessoas descompromissadas conseguiriam resistir incólumes ao sex appeal de espécimes como a Número 6 de Battlestar Galactica ou o Gigolô Joe do filme A.I.

Tricia Helfer personificando o robô com mais sex appeal jamais visto na televisão mundial.

E é pensando em uma cena de A.I., o filme originalmente concebido por Stanley Kubrick e dirigido por Steven Spielberg em 2001, que chego a um dos grandes temas universais: o amor. Apesar de W.H. Auden ter lembrado, em um de seus versos, que “milhares viveram sem amor, nenhum sem água”, o fato é que amar sem ser correspondido é um dos maiores sofrimentos desta vida, além de representar interminável motivo de inspiração para músicas sertanejas, baladas emo e poemas sofríveis.

Pois bem: na trama de A.I., há um cientista que cria David, um pequeno robô que possui a capacidade de amar seus pais para “todo o sempre”. Para que esse amor seja “acionado”, basta que o comprador dessa criança-robô pronuncie uma série de sete palavras, que devem ser verbalizadas dentro de uma sequência programada: cirro, Sócrates, partícula, decibel, furacão, tulipa e golfinho. Feito isso, o robô estará fadado, até o fim dos dias, a nutrir um amor incontestável, interminável e irrestrito por quem pronunciar essas palavras.

Frances O’Connor e Haley Joel Osment em uma cena-chave de A.I., filme dirigido por Steven Spielberg a partir de um roteiro de Stanley Kubrick.

Não posso deixar de imaginar quantas dores de cotovelo, sofrimentos amorosos e crimes passionais seriam evitados se o tal do Amor pudesse ser catalisado a partir de uma simples e banal sequência de palavras. Por outro lado, essa artificialidade mecânica no gênese de um sentimento não tiraria a graça, a complexidade e toda a poderosa gama de ações e reações catalisadas por um flerte, uma conversa casual, um encontro agendado (ou não) pelos acasos da vida? Onde ficariam os amores surgidos a partir da fagulha de uma paixão, que posteriormente são construídos e solidificados pela amizade, pelo carinho, pelo convívio, pela cumplicidade? Poderia ser chamado de amor um sentimento sem brechas para fissuras, discussões e discordâncias, que obrigam as duas metades de um casal a aprenderem a fazer pequenas renúncias e concessões, em nome da maior transcendência que pode ser conseguida neste mundo?

Penso em como seria se esses robôs surgissem nos dias de hoje. Por certo não faltariam pessoas maravilhadas com a oportunidade de adquirir, através de cartões de crédito ou boletos bancários em até 36 vezes sem juros, máquinas programadas para dar amor sem a necessidade de qualquer recíproca; suportando traições, bebedeiras, desprezo, atos violentos e tudo que há de mais desprezível na índole humana. Diante de tamanha passividade, temo pela sensação crescente de impunidade que fomentariam em pessoas mimadas, egocêntricas, habituadas a relacionamentos descartáveis e que nunca sabem exatamente o que desejam. E não é difícil prever que ferros velhos logo estariam abarrotados de robôs mutilados, vilipendiados e escorraçados por gente como a gente; humanos, demasiadamente humanos.

Quem me dera que os avanços tecnológicos pudessem ser capazes de eliminar relacionamentos robotizados.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.