O depois

Tinha sido um dia ruim para meu amigo, muitas situações pesando na sua cabeça, ele me chamou para sair e conversar. Entre uma história e outra, falei sobre minha última viagem, falei que queria ter acampado, andado de kitesurf, tirolesa e parapente, banhado na cachoeira, e por alguns motivos, disse que deixaria para a próxima vez, ele, depois de experimentar uma nova bebida que sugeri, olhou para mim e me fez as seguintes perguntas simples, mas que me deram um beliscão na alma: e o que você está esperando para fazer tudo isso que quer? Por que deixar só para as próximas férias se você pode fazer isso ainda? O que te impediu de fazer que foi tão forte assim que você tem que deixar para a próxima vez?

Diante dessas perguntas, não estava ciente do motivo real pelo qual eu estava deixando um monte de coisa legal para fazer numa lista de espera que não precisa existir. Por que essa mania ridícula de se acomodar com o que já está habituado e não tentar algo novo quando a oportunidade está bem diante dos seus olhos?

Sei que eu posso pensar em várias desculpas, mas a criatividade deve vencê-las, a coragem deve pulsar mais forte do que o medo, a vontade deve ser maior do que a acomodação, e o instinto tem que falar mais alto do que a mente racional.

Percebo que isso acontece com várias pessoas, e em um nível maior do que o meu, deixam sempre as coisas mais empolgantes para um depois que nunca chega, logo a parte mais legal da vida delas… Depois da escola, depois da faculdade, depois que conseguir isso ou aquilo, deixa para a próxima oportunidade, para outro dia, próximo verão, e isso inclui coisas simples, como ir ao cinema, jogar uma partida de vôlei com os amigos, cozinhar, entre outras.

Sei que tem situações que se aplicam sim ao “depois” e que muitas vezes é melhor, quero deixar claro que estou falando com relação aos momentos que você pode fazer algo e nada na realidade pode te impedir além da sua preguiça mental ou alguma desculpa que você inventa na hora só para deixar para depois.

Como um carro, não é sobre acelerar demais o seu motor, e sim deixar ele andando numa velocidade que seja empolgante, porque quando fazemos só o que estamos habituados até mesmo nos momentos que temos a oportunidade de fazer atividades legais e diferentes, tem algo muito errado, como por exemplo sair com os amigos para o mesmo restaurante, viajar sempre para a mesma praia, e saber que tem um mundo de coisas legais que deixam nossos olhos brilhando, mas por algum motivo acabamos deixando para depois, sem necessidade!

Às vezes aceitamos a posição de observadores quando na verdade os outros que deveriam nos observar agindo, é bonito ver pessoas se atirando de coragem, mas vivenciar na pele vale muito mais a pena, a adrenalina tem que correr nas suas veias, o grito tem que sair da sua boca, a velocidade deve percorrer pelos seus pés, o seu coração que deve bater rápido, e é ainda mais belo admirar sua própria coragem. Deixar para depois é bem essa ideia de falar e nunca fazer, qual a graça? Tenho certeza que se eu tivesse utilizado minha criatividade teria conseguido fazer o que queria naquele momento, mas deixei meu cérebro me enganar.

Próxima vez não vou deixar isso acontecer, próxima não, a partir de agora, quando sentir aquele impulso, e ouvir aquela voz interior dizendo para eu ir, eu vou, porque não posso deixar minha vida para depois, quando a única certeza que eu tenho é do momento e das oportunidades que estão acontecendo agora.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.