A mãe dela

Claro que a mãe dela não esperava que o resultado de todo amor e cuidado fosse tão catastrófico, não que ela também esperasse castidade da filha, mas foi pega de surpresa quando assistiu ao ato da menina que demonstrava profundo conhecimento em relação a rola, dura e maciça que deslizava garganta pra dentro, profunda.

De olhos arregalados e com o coração na mão, a mãe observava a filha com o pau na boca e a cara do cara de satisfação, que recebia o boquete da vida, e aproveitou pra se questionar sobre a rola do marido, pai da menina, da qual ela engolia só a metade dos 17cm e sentiu inveja, mas antes sentiu tesão

Dona Maria, 50 e tantos anos, vestida com um vestido de florzinha, levantou a saia em meses - quem sabe anos - e deslizou o dedo, buceta à dentro, desejando ser pega pelo padre - gatíssimo - da igreja que ela frequenta toda quinta, e molha a calcinha na missa, sonhando com o pecado de foder no confessionário.

Voltou o olhar pra fenda da porta e viu a filha com a fenda húmida, empinando a bunda, de quatro, sendo puta, implorando pra ser rasgada. Ficou brava, claro, se perguntando o que filha pensava e desejando um namorado desses bem dotado, faz tempo que ela só dá de lado.

O casal do quarto percebeu que tinha platéia e melhoraram o show, fizeram um espetáculo, transaram, se comeram, foderam, terminaram doendo, com porra pra todo lado e os três envolvidos plenamente realizados.

Like what you read? Give Karin a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.