Pra comer com 10 talheres

Arregaça o cu pra mim e pede rola, diz que você esperou a semana toda e que contou pra todas as amigas que no sábado a noite você seria minha e é sendo minha que a tua vida se completa. É com a pica socada na garganta que você se sente satisfeita mas nunca saciada, deixando a rodinha de meninas com inveja porque nenhuma delas sentem o prazer sádico que eu te proporciono, agradece. 
 fica de quatro e grita dizendo que o cuzinho está sendo arrombado e que você está arrependida, implora por menos, diz que está doendo, só pra eu fingir que me importo e colocar bem devagarinho pra te ouvir chorar baixinho e sentir mais prazer em transpassar você. Diz, vagabunda, que esse teu cu de puta imunda é pequenininho demais pro meu pau, e eu te mostro que cabe, não me importo que rasgue, eu quero ver teu cu abrindo, contraindo, meu pau entrando, você gritando, todo mundo ouvindo e ficando sabendo que o teu rabo hoje será o meu paraíso.

E depois que entrar, enquanto eu estiver te fodendo, aumentando o ritmo, metendo, deixando você com o cu rasgado e ardendo, puxando teu cabelo, quando tu comecar a gostar, quando não estiver mais doendo, eu vou gozar, estocar porra dentro, vou tirar o pau e dizer que a graça termina quando o teu prazer começa, então tu me agradece e me chupa, a rola suja de puta e gozo, com o sorriso no rosto de quem adora o que faz.

Like what you read? Give Karin a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.