“Pode ser o fim da União Europeia como conhecemos”

O professor da London School of Economics, Tim Oliver, avalia os efeitos de uma eventual ruptura entre o Reino Unido e a União Europeia.

Igor
Igor
Feb 4, 2016 · 9 min read

*Material complementar à coluna publicada no HuffPost Brasil*

Por Igor Patrick

HuffPost - O Reino Unido é um dos membros mais importantes do que se convencionou a chamar hoje de União Europeia e foi, por muito tempo, considerado fundamental para a existência da UE. O que mudou desde então? Como o senhor avalia a opinião de alguns políticos europeus que acusam o Reino Unido de não ter “compromisso filosófico” com a Europa além de sua relação “primariamente comercial”?

Tim Oliver - Primeiramente, a União Europeia e especialmente a zona do Euro tem demonstrado já há algum tempo que mudaria a relação com o Reino Unido de forma a refletir a mudança no coração da entidade. A Grã-Bretanha nunca demonstrou grande interesse em se juntar ao Euro. Mesmo nos anos 1990, o apoio era morno. A mudança de estrutura na UE significou que a possibilidade o Reino Unido fora deveria ser abordada.

Em segundo lugar, as posições britânicas frente à União Europeia raramente foram bem-resolvidas. Em menor porção, isso reflete o erro da elite política britânica em vender a ideia de uma integração europeia e contou à favor do Euroceticismo, mas também reflete uma série de fatores estruturais que dificultariam a mudança, como o fato do sistema político majoritário britânico ir de encontro a um sistema mais consensual encontrado na União Europeia e suas instituições.

Historicamente, o Reino Unido alimentou um sentimento de que a participação dentro da União Europeia foi uma abdicação de um papel mais ousado. Isso pode soar antiquado, mas a ideia da Grã-Bretanha apenas como mais um Estado Europeu causou angústia em um Reino Unido que frequentemente se definia como potência internacional e não apenas local.

Em terceiro lugar, é importante ressaltar que isso não quer dizer que o Reino Unido não tem sido construtivo e essencial para a União Europeia. O Reino Unido pode ser bastante ambivalente no sentido de se assumir europeu. A diplomacia e a relação governamental com o resto do continente é frequentemente construtiva, com o país sendo um bom europeu e avançando em várias ideias, parte da maioria das leis que emponderaram a UE (ainda que um dos problemas no Reino Unido seja o hábito de simplesmente ignorar as leis da UE que não gosta, ao contrário do que acontece em alguns outros países do bloco).

A relação política, no entanto, é tensa e difícil, em grande parte devido ao debate político interno, onde a ideia de integração europeia, como mencionei antes, raramente é vendida como algo positivo. Isso, por vezes, pode causar confusão no resto da UE, especialmente entre os governos confusos pela ambivalência das ofertas britânicas.

Quanto ao comprometimento filosófico, acredito que o Reino Unido não é o único Estado-Membro a ver a UE de uma forma comercial. O que podemos dizer é que o Reino Unido vê a relação como mais de uma transacional do que outros Estados, que vêem a integração como um benefício da transação.

HP - Em um artigo recente do jornal The Guardian, uma recém-formada francesa vivendo em Londres — Victoria Pinoncely — diz acreditar que “o Reino Unido está virando as costas para o projeto europeu”. Como você avalia esta afirmação?

Oliver - Se ela fosse minha aluna, eu a pediria para definir o que ela quer dizer com “projeto europeu” e explicar por que sua definição deveria ser a aceita no resto na Europa que os outros membros da UE estão trabalhando duro e à qual o Reino Unido está dando as costas.

Um dos desafios para a UE é que, para ter uma base possível sobre a qual construir uma definição, a ideia de construir “uma união cada vez mais estreita entre os povos da Europa” é, em si, pouco clara.

É um projeto de reconciliação franco-alemã, sobre a gestão primeiramente pela Alemanha Ocidental e agora uma Alemanha reunificada? Ou é sobre unir a Europa Ocidental e Oriental ou o Norte e o Sul? É um projeto estadunidente para manter a Europa pacífica e próspera em combinação com garantia de segurança da OTAN? É apenas sobre economia, comércio e negócios? É um projeto capitalista que se destina a criar um livre mercado liberal? É sobre uma Europa social? É o mercado único e sua livre circulação das pessoas, bens, capitais e serviços? É sobre criar uma suprapotência europeia no mundo? Ou é sobre criar uma unidade federativa similar à dos Estados Unidos? Quem sabe possa ser uma vaga e indefinida noção de cooperação?

HP - Ainda assim, especialistas teorizam que, entre os pontos positivos da saída, estaria a liberdade do Reino Unido para negociar suas exportações independente das decisões em Bruxelas (sede do Conselho Europeu). Isso pode beneficiar, sobretudo, mercados em expansão como a China, a India ou mesmo o Brasil. Em qual proporção um resultado positivo para o Brexit pode alavancar a economia dos BRICS?

Todos os membros da União Europeia, Reino Unido incluso, estão assistindo a um lento declínio em suas relações de troca e uma mudança em direção aos mercados emergentes. Também há um avanço na construção de um mercado transatlântico, algo que o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP na sigla em inglês) está tentando administrar e aumentar. Essa mudança certamente desempenhou um papel importante no debate sobre o Reino Unido deixar a UE.

A União Europeia foi vista por algum tempo como o futuro econômico para o Reino Unido, mas essa é uma ideia difícil de vender dado o crescimento vagaroso da Europa e os problemas da Zona do Euro. Mesmo o Reino Unido em si tem obtido pouco sucesso em sua expansão, embora venha se tornando mais bem sucedido recentemente (uma das razões pelas quais o país tem atraído um grande número de jovens de toda a UE) e isso tem ajudado a construir a ideia de que podemos crescer por conta própria.

Um comentarista holândes se referiu a esse pensamento como “uma mentalidade de vitimização narcisista da Grã-Bretanha” de que apenas o Reino Unido é contido pela UE, que apenas o Reino Unido pode ver os problemas sociais e saber como resolvê-los, que apenas o Reino Unido está ciente de como o mundo está mudando e a necessidade de responder a isso.

Essa atitude ignora que os vários países como a Alemanha ou a Holanda estão mais do que ciente de como a UE e o mundo estão mudando. A Alemanha tem sido mais bem sucedida do Reino Unido em se aproximar mercados emergentes. Por isso, UE pode, por vezes, ser o que os britânicos gostam de culpar como uma forma de evitar suas próprias falhas econômicas, industriais e financeiros.

HP - Ainda que o Primeiro-Ministro, David Cameron, tenha declarado que vai defender a permanência na União Europeia no plebiscito de 2017, analistas políticos dizem que o resultado pode ser imprevisível. A população britânica está ciente dos riscos e consequências em deixar a UE? Quais aspectos mais sensíveis deveriam ser considerados pelas pessoas antes de tomar uma decisão?

Sim, o resultado é imprevisível e isso não se deve apenas ao assunto em si, mas porque referendos muitas vezes descambam em tópicos diferentes dos originais. Há o risco deste se transformar em uma suposta aprovação ao governo de Cameron, ou, mais provavelmente, em um debate sobre a crise dos refugiados em toda a Europa. O povo britânico será apresentado aos potenciais custos e consequências de um Brexit através das pessoas que defendem a permanência. Críticos da campanha têm comparado essa abordagem à realizada para manter a Escócia no Reino Unido, uma estratégia que ficou conhecida como ‘Projeto Medo “- onde o objetivo é aplicar MID: Medo, Incerteza e Dúvida. Isso cria uma campanha em grande parte negativa, com a UE — assim como o Reino Unido fez no referendo escocês — desprovida de qualquer imagem ou mensagem positiva. Isso pode ser efetivo, mas também pode tornar as coisas muito negativas.

Há muitos aspectos acerca deste debate que eu acho que o povo britânico deve considerar. Minha área de pesquisa tem sido o que um Brexit poderia significar para a UE. Sem querer me tornar parte da abordagem MID, eu encorajo as pessoas a pensar cuidadosamente sobre como o resto da União Europeia irá responder a uma votação para sair. A UE respondeu de uma forma muito negativa a um Brexit, colocando a sua própria unidade acima de quaisquer interesses do Reino Unido. Isso pode acabar machucando a UE (e o Reino Unido) economicamente, mas a preocupação política de proteger a UE irá deixar o Reino Unido em uma posição muito fraca.

O Reino Unido não pode simplesmente exigir alguma forma de acesso privilegiado ao mercado único da UE, acordo de livre comércio especial ou permanecer alheio às expectativas da UE sobre a livre circulação de pessoas. A UE — todos os 27 outros Estados membros e o muitas vezes completamente esquecido no debate Reino Unido, o Parlamento Europeu — terá que concordar com um arranjo desse tipo, o que representa um enorme problema que poucos eurocépticos têm se demorado pensando sobre.

HP - Você considera que as consequências do Brexit podem ser muito piores para a economia britânica que para a UE, já que a União tende a se libertar de um de seus membros mais liberais e o que frequentemente dá mais dor de cabeça nas negociações. Você também escreveu em um artigo que acredita que o bloco ficaria mais facilmente administrável e liderável. Então, quais são de fato, os retrocessos para a UE com o Brexit?

Ao mapear o que poderia acontecer com o bloco, defini que a União Europeia pode, de fato, ficar mais fácil de conduzir, mas também observei que o Reino Unido tem sido ausente de muitos problemas, tais como os da zona euro ou o Espaço Schengen. A luta para encontrar a unidade e confiança nestas duas áreas mostra que, mesmo com o Reino Unido fora da sala, o resto da UE pode ter dificuldades para progredir, embora eles eventualmente chegarão lá. Uma das maiores perdas para a UE seria a ideia de ser uma organização pan-europeia.

Como ficaria a UE e as idéias de integração se um país de 65 milhões de pessoas (e projeções atuais apontam que o Reino Unido será o maior país da União Europeia em 2050) e uma das mais importantes potências ocidentais decidir, democraticamente, sair? Sim, a própria política interna britânica desempenha um papel neste contexto. O resto da UE se perguntaria o que deu errado.

É por esta razão que a questão do Brexit levando à desintegração europeia é o que preocupa um número crescente de pessoas. A chave é o que acontece na Alemanha. A UE nunca teve que enfrentar uma crise originária da Alemanha. A França quase levou todo o projeto abaixo na década de 1960. As ações da Grécia quase derrubaram a Zona do Euro etc. Mas a Alemanha manteve-se estável em seu apoio para o projeto.

Em uma época em que a zona do Euro enfrenta problemas com a Grécia e os países rediscutem o Espaço Schengen para conter a onda de refugiados, todos os olhos se voltam para ver como isso afeta o coração da UE: Alemanha. Eles seriam forçados a reavaliar as formas de gerir a sua posição neste continente. Pode ser o fim da União Europeia como conhecemos.

Eu não acho que isso vai acontecer, mas temer que o Brexit poderia combinar com outros problemas enfrentados pela UE e causar um aumento no apoio aos partidos eurocéticos não é algo para ser casualmente esquecido.

HP - Considerando que uma integração ao molde suíço ou norueguês não é exatamente o que os eurocéticos britânicos esperam, quais seriam as opções no caso do Brexit? Quais pontos Bruxelas deveria considerar na tentativa de manter a relação Reino Unido-União Europeia como é hoje?

A campanha no Reino Unido para deixar a UE sofre de uma falta de visão de consenso quanto aos que defendem que o Reino Unido deve procurar um novo relacionamento com a UE. Isto se deve, em parte, a diferenças sobre o que impulsiona estas campanhas: alguns são movidos por preocupações sobre a imigração, outros por soberania, outros por economia. Eles se digladiam para oferecer uma visão consensual porque, para início de conversa, um acordo com a UE depende muito do que a UE está disposta a concordar.

O Centro para Reforma Europeia (CER) delineou sete opções recentemente. Nenhuma delas seria ideal para o Reino Unido. O que seria melhor para a UE depende de que tipo de acordo seu Conselho espera obter: é a livre circulação de pessoas? Isso preserva o acesso ao mercado único? Deveria punir o Reino Unido e assim impede eurocéticos no resto da UE de procurar um acordo semelhante para a sua saída? Um acordoque leva em conta o comércio internacional como a que liga com os EUA? Isso dá prioridade aos cidadãos da UE no Reino Unido e do Reino Unido na UE? Um acordo que incide sobre a situação para a Irlanda?

Igor

Written by

Igor

Projeto de jornalista e cover do Compadre Washington

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade