Jornalismo e o Vale do Silício

Jovem de 22 anos. Cursando jornalismo. Vai numa Startup Weekend pela primeira vez e sai de lá como sócio de uma nova startup B2B.

Essa lógica de criar um negocio junto de desconhecidos e sair de lá pensando que vão ganhar o mundo é realmente uma coisa incrível e poderosa. E mais do que isso, incrivelmente barata.

Durante muito tempo eu não entendia o que Jeff Jarvis, professor de Jornalismo Empreendedor da CUNY, queria dizer ao falar que jornalistas estavam muito atrasados em relação as empresas de tecnologia do Vale do Silício. Afinal de contas eles trabalham com tecnologia e nós com notícias, certo?

Nós trabalhamos com notícias, certo?

Vamos abrir um parêntese aqui, ok?

  • A Apple vai lançar o Apple News: uma plataforma aberta para publicação e distribuição de conteúdo amador ou profissional.
  • Google criou o News Lab: uma divisão para colaborar com empresas de mídia do mundo todo.
  • Facebook lançou o Instat Articles: artigos com um design mais amigavel pra quem lê usando a rede social.

Outro parêntese.

  • Em pesquisa recente o Brasil é o país que mais consome notícia no mundo.
  • E também o que mais compartilha.
  • Nós também somos os que mais gastamos tempo com notícias no celular.

Todas essas grandes empresas estão interessadas em entrar no négocio do jornalismo porque há um público interessado. Mas afinal o que nós podemos fazer?

Pense no futuro

Hoje nós temos facilidade pra abrir um site, fazer um aplicativo, criar mapas e mobilizar pessoas nas redes sociais. Distribuir informação nunca foi tão fácil e barato.

Nós aprendemos a produzir conteúdo para rádios, tevês, jornais e sites, mas não aprendemos a rentabilizar nossas próprias empresas de mídia. Nós aprendemos a sermos empregados e não futuros sócios dessas empresas (ou das nossas próprias empresas).

Eu acho que no final é isso que Jeff Jarvis quer nos dizer. Nós precisamos pensar como um jovem programador do Vale do Silício e não como um jornalista se perguntando aonde foi a era do ouro do jornal impresso. Nós temos que lidar com o nosso futuro ou outras pessoas farão isso por nós.

Nós temos um futuro.

O Facebook, Google e Apple acham isso pelo menos.

Obrigado por ler o texto até aqui. Qualquer coisa comente aqui mesmo no Medium ou me adicione no twitter. :) @isaacguerreiros

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.