O maior equívoco na vida de quem gosta de escrever, com certeza, é se acomodar e deixar a preguiça te dominar. Por isso achei o desafio da escrita dos 30 dias um exercício ótimo, NÃO DEIXE A CRIATIVIDADE MORRER.

1º: Abra o primeiro livro que você vir na página 67. Escolha uma frase da página e a use como a primeira frase da sua história. (Agatha Christie)

Descontrole

Os outros compreenderam. Serviram-se de ovos e bacon, deitaram chá ou café em suas xícaras. Ainda assim, as lágrimas surgiam constantemente dos meus olhos, junto com a vontade imensa de gritar com meus plenos pulmões. Eu me sentia incapaz. Incapaz de controlar o choro, incapaz de lidar com meus problemas sem me descontrolar e incapaz de terminar meu lanche e de voltar ao meu quarto para chorar as pitangas.

Mas felizmente (ou infelizmente) os hóspedes continuaram desfrutando de seu café da manhã, ignorando o choro contido que chegava aos seus ouvidos.

Não os culpo. Um bacon é bem mais atrativo.

A verdade plena é que o ser humano evita tudo que lhe tire da rotina e que lhe traga o mínimo de desconforto. E é entendível. Esbarrar com uma mãe desamparada na rua, ler que uma mulher foi esfaqueada em frente à filha, ver animais abandonados pelos becos frios da cidade… tudo isso leva a uma mescla de sentimentos que ninguém consegue lidar.

Bom.

E de algum modo eu estava no meio dessa lista.

Não nego. Também me sentiria melhor se os jornais fossem recheados de notícias boas. Crise acabou, David Bowie está vivo, mulher esfaqueada recebe alta… Afinal, “existem razões para acreditar, os bons são maioria”, já dizia a propaganda da Coca.

E isso me perturbava assustadoramente. Dado que, apesar dos pensamentos positivos e das inúmeras vezes que compartilhei a propaganda da Coca no meu facebook, nunca imaginei que acabaria chorando em um hotel.

Aos poucos retomei ao normal fingindo que nada havia acontecido. Aceitei.

A vida era assim, acontece.

Resolvi imitar meus íntimos amigos que dividiam a sala comigo: deitei um chá na minha xícara.

E adocei.

Pois se podemos deixá-lo mais doce, por que não?