Trovões

Eu não tenho medo de trovão, nem de relâmpagos e muito menos de ficar no escuro, depois de um tempo eu percebi que estar no escuro não é tão ruim assim, ficar no escuro me faz lembrar coisas do meu passado mas acima de tudo me faz pensar nas expectativas que tenho para o futuro. Mas ontem estava trovejando muito e isso me fez lembrar de você, mas não de você como o cara por quem eu fui apaixonada por 2 doloridos anos e sim como o cara com quem por esses 2 longos anos eu me encolhi, me espremi, me diminui para caber dentro de seu coração, me fez lembrar de como em 2 anos eu consegui perder toda minha essência e ainda hoje acho que não consegui recupera-lá por completo. Foi irônico lembrar das vezes que eu mentia para você e para mim mesmo que eu tinha medo de trovões, que eu era uma pobre menina indefesa que precisava de um minimo de atenção sua, atenção que nunca veio da maneira que eu desejava. Ontem foi exatamente como os dias em que eu pedia uma palavra de carinho sua quando fingia estar assustada, o que mudou? Mudou que desta vez eu estava sozinha, sozinha de madrugada, só eu o escuro e os flash’s de luz que rasgavam o céu e foi somente ontem, depois de mais ano sem nenhum contato com você que eu percebi, eu estou muito bem sozinha, eu sou forte, sou corajosa e apesar de meus defeitos e meus medos eu me sinto pronta para desbravar o mundo sem você, sem ninguém.

Like what you read? Give I. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.