Ilustração Christie Begnell.

Alguma vez você já se sentiu assim? Já se sentiu uma perdedora por não ser magra o suficiente? Já sentiu como se sua vida tivesse se transformado em uma competição contra você mesma na qual cada quilo perdido é uma vitória? Se você respondeu que sim, assim como eu, você tem um Transtorno Alimentar.
 É muito difícil conviver com um TA como a anorexia nervosa, que é o meu caso. A maioria das pessoas pensam que é frescura, que é só vaidade. Mas a anorexia vai muito mais além de não querer comer. Não é perda de apetite, não é uma escolha e não é “legal” como muitos pensam. A anorexia é uma doença séria que causa muitas mortes. 
 Mas, o que causa a anorexia? Não existe um único motivo. Pode ser uma predisposição genética, uma consequência de algum trauma, pode ser causada pela pressão que a sociedade nos impõe por seguir determinados padrões de beleza que são totalmente irreais… Muitas podem ser as causas, mas só existe uma maneira de sair dela: LUTA.

Viver com anorexia é uma luta diária. Você tem que lutar todos os dias, a todas horas com o seu pior inimigo: sua mente. Ela vai te dizer o tempo inteiro que você está gorda (como se fosse algo negativo), vai te dizer que você não merece ser feliz, não merece que ninguém goste de você porque você nunca vai ser boa o suficiente. Ela vai te fazer pensar que você está cometendo um crime cada vez que você come. Vai te fazer passar muita fome até o ponto de você sentir prazer por estar com o estômago vazio. Então, você vai entrar nessa competição com você mesma de: “Será que eu consigo perder mais um quilo?”.

Eu já passei por isso, entrei nesse jogo obsessivo. Cada quilo que eu perdida fazia eu me sentir mais orgulhosa de mim, cada refeição que eu pulava fazia que eu me sentisse mais forte, com mais controle. Mas também me fazia sentir cada vez mais triste, desanimada, sem energia. Cheguei ao ponto de não conseguir raciocinar direito, não conseguia falar, não conseguia nem sorrir. Eu precisei chegar no fundo do poço pra perceber que eu precisava de ajuda. Então, aceitei ser internada.

Lá eu fui muito bem tratada, pelos melhores profissionais na área. Mas não tinha nenhum dia nos que eu estivesse lá dentro que não sentisse um terrível arrependimento por ter tido que chegar àquele ponto. Só lá eu percebi o valiosa que é a nossa vida, nossa liberdade. Só lá eu aprendi que não vale a pena desperdiçar a vida por ser magra. Só lá eu aprendi a lutar contra os meus demônios. Eu não estou curada, estou muito longe de estar, mas agora sei que é possível sair dessa, existe uma cura e ela está dentro de nós. 
 Então, se você sofre com algum tipo de Transtorno Alimentar, não duvide em pedir ajuda antes que seja tarde demais. Não espere ter que ser internada para perceber que você vale mais do que isso. Lute todos os dias contra os pensamentos destrutivos. Seja quem você é, se aceite, se respeite e se ame.