Inovações tecnológicas resultam em ‘eventos’ nas redes sociais

Isabela Vieira

O Facebook iniciou suas atividades em 2004, e com sua evolução surgiu a opção de criar ‘eventos’ — em que é possível marcar uma festa, por exemplo, e através da rede convidar os amigos que também possuem uma conta na plataforma. A partir daí, as pessoas começaram a perceber o “poder” que esse tipo de ferramenta poderia causar. Iniciando assim a convocação dos transeuntes para manifestações em diversas localidades do País.

Tudo começou com o aumento de R$0,20 nas passagens de ônibus, no estado de São Paulo, em junho de 2013. Essa data foi o marco inicial para uma série de protestos que viriam a surgir. Vale salientar que nesse período a popularidade da presidente Dilma Rousseff estava em queda.

Não é de hoje que os cidadãos lutam pelos seus direitos. Em 1992 também ocorreu uma grande manifestação popular. Os “caras pitadas’’, pessoas que estavam inconformadas com o governo, foram as ruas pedir o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Contudo, hoje, com o advento das novas tecnologias da comunicação, redes sociais, Facebook e WhatsApp, os protestos ganham uma proporção ainda maior.

De acordo com pesquisa do IBGE divulgada no último dia seis, em 2013 48% dos domicílios tinham acesso a internet no Brasil, evoluindo para 54,9% em 2014. Houve um crescimento também no número de pessoas que acessam a internet pelo celular, que passou de 53,6% em 2013 para 80,4% em 2014, sendo o principal meio de acesso a web no país. A partir desses dados, percebe-se que cada vez mais as pessoas estão conectadas ao mundo virtual. E quanto maior é essa conexão, mais possibilidades a população possui de acompanhar e comparecer aos eventos, marcados por organizadores de manifestações populares, nas redes sociais.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.