Lembra, amor da minha vida?

Lembra de quando a gente acreditou que o mundo era aquele quarto escuro, com apenas nós duas lá dentro e a chuva caindo do lado de fora? Daqueles momentos que passamos sentadas conversando com palavras e com toques nos dedos?

Já faz algum tempo que tudo isso passou, mas consigo me recordar como se fosse ontem de noites em que tudo que eu mais queria era suas pernas entrelaçadas nas minhas e o teu carinho nas minhas costas.

Como naquela virada de 20 para 21 de setembro de três anos atrás, a nossa primeira noite. Cheia de carinhos e palavras trocadas com sutileza e completo envolvimento. Lembra de olhar a lua com os pés na janela enorme? Lembra que eu te disse que sempre imaginei aquele momento com alguém e agradeci por ter sido com você?

E agradeço por ter tido com você coisas que nunca tive com mais ninguém. É cedo para dizer que nunca terei, mas às vezes parece que sim. Acho que nunca vou amar um cabelo como (ainda) amo o seu. A beleza que vi no teu sorriso apaixonado por mim numa noite qualquer de loucura, talvez não veja em outra pessoa. Tomara!

Tomara também que a gente nunca se perca por completo das vistas uma da outra. Quero sempre me recordar de algum momento nosso e ir correndo te contar. Espero causar em você a mesma nostalgia deliciosa que sinto quando essas lembranças batem no meu peito.

Like what you read? Give Isabella Bastos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.