Ai de mim

(Imagem:Yolanda Dorda)

Tranco as portas do meu peito
Que só posso caber em mim
Não sei viver direito
Isso só me diz respeito
Troco o não pelo sim
Ai de mim!
Que abro as portas com medo
Que ainda escondo segredos
Que ainda embrulho mentiras
Que não tiro o pó da mobília
Que bebo frases antigas
Como quem bebe gim
Ai de mim!
Que tive sonhos tão belos
Que provei do amor mais sincero
Vivi e morri numa noite
Que fui bom filho com esmero
E agora nada mais espero
Que não seja o fim.


Gostou dessa poesia? Dá uma clicada no coraçãozinho, me conta o que achou no balãozinho dos comentários.

Faça com que essa publicação chegue a mais pessoas! Apareça! Adoro uma boa conversa. Como se diz aqui onde eu moro: “se aprochegue, não se acanhe não!”