Alarido

ou Um grito de guerra

(Imagem: Dioniso Punk)

Que acontece se não abro a porta?
E se não atendo a chamada?
E se não respondo pelo nome?
O que acontece se desligo o telefone?

Se eu te disser que sou bruxa
Que sou bruta e mal amada
Se te disser que sou roubada
Que não sou para ti nem para ninguém

Que só ajo com desdém
Que sou cínica e irônica
Que sou quase canônica
Que sou quase puta

E que a vida só é justa
Com quem não tem o que perder
O que tens a temer?
Teus trocados, tuas folhas de papel amassado?

Dei o caso por encerrado
Sou ré, júri e juiz
Não sou nem santa nem meretriz
Apenas a mulher que se contradiz


Gostou dessa poesia? Dá uma clicada no coraçãozinho, me conta o que achou no balãozinho dos comentários.

Faça com que essa publicação chegue a mais pessoas! Apareça! Adoro uma boa conversa. Como se diz aqui onde eu moro: “se aprochegue, não se acanhe não!”