Cotia: resultados em tabelas

Abstenção foi recorde e mais de 65% dos eleitores preferiram não escolher um dos candidatos à prefeitura

Em um domingo ensolarado, Cotia elegeu, com votação invejável, o “ninguém” para a prefeitura do município. Em movimento semelhante ao de muitas cidades brasileiras, a soma dos votos brancos e nulos e das abstenções foi grande: 26.516 cotianos não foram às urnas no dia 3 de outubro de 2016, número que corresponde a 16,69% do eleitorado do município.

Na escolha do prefeito, foram 8.867 votos em branco e 58.675 votos nulos, que somaram impressionantes 67.542 votos inválidos. Somando a votação de brancos e nulos com o número de abstenções, o resultado impressiona ainda mais: 94.058 cotianos preferiram não escolher um prefeito. É equivalente a 66,45% de todo o eleitorado.

Rogério Franco (PSD) e seu vice Almir Rodrigues (PSDB) foram eleitos com 39.933 votos. É um pouco mais de dois terços do total de votos brancos e nulos. Ambos eram vereadores na legislatura atual.

Na eleição municipal de 2012, 20.715 pessoas não foram votar. Àquela época, o número equivalia a 14,63% do eleitorado. Na série histórica desde 1996, a eleição de 2016 apresenta a maior taxa de abstenção.

Os votos nulos tiveram um salto impressionante: desde 2012, o aumento foi de 452%.
O número de abstenções cresceu 28% de 2012 para 2016 (Fonte: TSE)

Os próximos legisladores

Para a 17ª legislatura que se inicia em 2017, Cotia novamente não elegeu nenhuma mulher para a Câmara ou para a prefeitura. Os 15 eleitos (o prefeito, o vice e os 13 vereadores) são homens. Na Câmara, serão 5 homens brancos e 6 pardos. Professor Osmar (PV) é o único negro. Celso Itiki (PSD) é o único autodeclarado amarelo. Dos 15, 10 estão entre 40 e 49 anos de idade.

A mulher com mais chances de ocupar uma cadeira — caso o titular, por algum motivo, precise deixar o cargo — é Angela Maluf. Ela obteve 1.164 votos e é a primeira suplente do Partido Verde.

O Quociente Eleitoral foi de 8.624 votos, desprezada a fração. Com a cláusula de barreira da Minirreforma Eleitoral de 2015, os candidatos precisam ter um desempenho mínimo de 10% do QE para conquistar uma cadeira no legislativo, conforme descrito no Artigo 108. Os suplentes não estão sujeitos à mesma regra.

Os partidos que receberam mais votos foram o PSB e o Solidariedade, que faziam parte da coligação “Cotia quer voltar a ser feliz”. A coligação apoiava o candidato Quinzinho Pedroso (PSB). O terceiro partido mais bem votado foi o PSD, sigla que cresceu e fez mais 44 prefeitos desde as últimas eleições municipais. Um deles é Rogério Franco, que assumirá a prefeitura de Cotia. O PSD ainda concorre a mais 7 prefeituras pelo Brasil no segundo turno.

Votos por partido (Fonte: UOL/TSE)

As coligações elegeram 12 vereadores. O PROS fazia parte da coligação “Cotia quer voltar a ser feliz”, que apoiava Quinzinho Pedroso, mas não se coligou a outros partidos para o cargo de vereador. A sigla elegeu um candidato. A coligação entre PRB e PSD elegeu 3 vereadores. A única coligação que não atingiu o QE e, consequentemente, não elegeu candidatos foi entre PR, PHS, PT e PSDC.

Votos por coligação (Fonte: UOL/TSE)

Por não terem atingido o QE ou o Quociente Partidário, os candidatos abaixo obtiveram boa votação, mas não se elegeram.

Arildo Gomes (PDT) — 3.130 votos;
Sérgio Folha (PR) — 2.708 votos;
Tagarela (PSB) — 1.971 votos.

Arildo Gomes e Tagarela são os primeiros suplentes de seus respectivos partidos. Sérgio Folha, que concorria à reeleição, não tem chances de voltar a ocupar cadeira na Câmara na próxima legislatura, uma vez que a coligação da qual seu partido fazia parte não alcançou o QE.

A taxa de renovação dos vereadores foi de 53,84%, com 7 vereadores novos e 6 reeleitos. Dos 7 novos vereadores, 3 são da coligação do prefeito eleito. A coligação “O melhor caminho para Cotia” garantiu 5 cadeiras na Câmara Municipal. Os partidos da coligação rival, “Cotia quer voltar a ser feliz” preencheram as outras 8 vagas.

A base do prefeito eleito fez 3 novos vereadores: Celso Itiki, Edson Silva e Professor Osmar. Dr. Castor Andrade e Luis Gustavo Napolitano completam a base

De acordo com dados do TSE, 121 candidatos estão como suplentes. Neste link, estão todas as 20 tabelas usadas no texto, inclusive tabelas com todos os suplentes, divididos por coligações e partidos.

Números curiosos:

Número interessante é o de candidatos com votos anulados: foram 35 nessa situação e que somaram mais de 4 mil votos. O PT do B foi o partido com mais candidatos anulados: 12. Dessa dúzia, duas candidatas não tiveram sequer um voto.

Candidatos que tiveram votação anulada. Estes candidatos receberam, no total, 4.475 votos (Fonte: TSE)