Prisões invisíveis

Bom, talvez este não seja um texto comum,mas sim,um mero desabafo. Sou nova nesta plataforma e ainda não sei como utilizá-la corretamente em sua totalidade.Mas…enfim, vamos lá…

Hoje quero falar das dificuldades de alcançar objetivos, bem como das angústias advindas de nossos fracassos e tropeços. Fato é: somos JOVENS! e sim, vivemos em tempos onde nossos pais com nossas idades já constituíam famílias e provavelmente NÓS já estávamos nos ventres de nossas genitoras.

Hoje tudo acontece muito rápido. Somos inundados de informações por todos os lados o tempo INTEIRO. Há competição. MUITA competição no mercado de trabalho. Ser bom não é o suficiente, você precisa ser ÓTIMO. Engraçado que um professor meu do ensino médio dizia: “ O bom é inimigo do ótimo.” Hoje vejo que ele estava coberto de razão.

Então, como se destacar no meio de tantos ? Como saber se você é suficientemente bom naquilo que faz ou escolheu pra sua vida ? Como saber se efetivamente você está fazendo a “COISA”certa ? São dúvidas que claramente permeiam o imaginário dos jovens da minha geração. Fora o medo do fracasso, do desapontamento dos pais, da família e até mesmo de preconceitos da sociedade com relação ao ofício que você escolheu pra sua vida.

Eu já li alguns textos que diziam que todos nascemos com algum tipo de DOM e invariavelmente temos nossas MISSÕES na vida. Entretanto, o processo dessa descoberta por assim dizer; do despertar para algum tipo de aptidão não é tão simples. Eu me coloco nesta berlinda e apresento alguns exemplos, pois sinto que ainda não me encontrei. É duro admitir isso, quando você está perto dos 25, mas é verdade. Muitos falam: “ Você é jovem, nem tudo está perdido. Você tem um bom tempo pela frente.”. Sim,eles estão corretos. Entretanto, isso não amaina completamente o desalento emocional que habita em meu coração. Sabe aquele nervoso, de que todo mundo já está em algum lugar, seja ele qual for…e você ainda não?

Você se sente aprisionada, sem saber como seguir em frente e virar o jogo. É como se te apresentassem um jogo de xadrez: aos poucos vão te fornecendo as peças, mas em nenhum momento te ensinam a jogar. Além disso, os jovens do passado tinham um leque bem restrito de opções pela vida: casar ou trabalhar. Ou os dois. Hoje existem tantas possibilidades, que eu acredito que quanto mais alternativas o ser humano tem, pior para ele no sentido de decidir-se entre elas.

Estou num momento de reflexão e ajustes em minha vida, acredito que escrevendo aqui eu possa aprender a lidar melhor com minhas emoções e quem sabe tirar proveito de tudo que me aconteceu no passado. Quem sabe, criar forças para tocar o barco rumo a um horizonte azul com uma brisa favorável ?( ~sendo poética~ hahaha).

É isso

Até breve.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Isabella Victorino’s story.