Nós, Oceanos e “Black Dogs”

Me encontro nesse exato momento deitada na minha cama, olhando para o alto e ouvindo musicas que reforçam minha tristeza repentina.

Até que me pego pensando o quão difícil é ser depressivo (sim, esse é um texto sobre ter depressão), e não é que eu nunca tenha pensado nisso antes; tem dias até, que não consigo pensar em mais nada.

Ter um sentimento de peso que te invade a porta, sem aviso prévio ou qualquer transição de sentir é assustador, tanto para quem está dentro quanto para quem está fora dessa situação, e a impotência torna tudo muito mais cansativo.

Bem, permita-me mostrar o que eu sinto quando minha querida Debby resolve invadir minha casa:

“É como se tivesse acabado de ser lançada em um oceano, com uma corda na garganta e pedras nos meus bolsos; tudo é completamente frio e escuro e eu não consigo ter forças pra me mexer, mas o peso da minha consciência, juntamente a corda que me enforca, me exigem ter alguma reação de defesa, quanto mais eu tento, mais falho. Às vezes me irrito, pois não importa quantas vezes eu tente, todo o qualquer esforço será em vão, logo depois sinto algo saindo de mim, algo que sufoca e então percebo que o minhas próprias lágrimas quem formam esse oceano que me afasta de tudo e tenta me destruir…”

Primeiramente, peço perdão pela explicação tão “teatral”, é que eu costumo ficar melancólica nesses momentos, e, eu precisava de uma justificativa pra esse título desconexo. Eu só estou tentando desesperadamente me curar de uma visita inesperada.

Chega a ser cruel com aqueles que me cercam terem que viver nessa montanha russa comigo (ah, montanha russa é uma boa analogia pra quem tem depressão, ela fala sobre altos e baixos… mas enfim, isso é história pra outro texto), porém infelizmente não existe uma receita mágica que te faça ser feliz pra sempre, ser humano é ser passivo ao sofrimento, e as pessoas julgam isso poético.

Novamente em meu estado atual, eu tive um dia ótimo, acordei cedo, corri (coisa que sempre procrastino), fiz compras pra minha casa, comprei até luzes de decoração pro meu quarto (na minha cabeça, ter um lugar meu ia me fazer me sentir mais em casa), passei um tempo com um amigo, até ele ir trabalhar. E mesmo sendo coisas simples, meu dia foi fluído, leve, um dia que eu jamais falaria que iria ficar assim; até que, através de um pequeno segundo…PÁ! Não consigo mais ter forças pra levantar da cama, fazer coisas como preparar minha janta ou trocar a caixa de areia dos gatos, talvez até terminar esse texto que comecei…

…adoeci.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.