Ah, Desilusão!

Ah, desilusão. Desilusão que chega e sai, volta e aperta. Agoniza e sufoca. Ah, Desilusão. Do voto ao ser, quem sou eu, eu voto em quem (?) e por quê? Ah, desilusão. De política sobra pouco, da barbárie sobra muito. Ah, Desilusão. Do medo que paralisa até o voto de cabresto. Que sofrido é, né. Ah, Desilusão. Da vida que não acontece, do debate sem nexo e sem ideias que carece. Ah, Desilusão. É nela que habita o desespero, que vai de encontro ao fascista produzido pelo meio. Ah, Desilusão. Se dela não posso me reerguer, pois que nela eu me afunde por inteiro. Ah, Desilusão. Na liberdade eu te acho, na luta social eu te arremato por inteira. Ah, Desilusão. Que da beleza faz dela um passeio, pois que tire seu encanto e só mostre o que não vejo. Ah, Desilusão. Se te pego no caminho que eu te faça sorrateira, pois é em ti que me agarro pra querer enfim um mundo bonito e verdadeiro (?). Ah, Desilusão.