Sobre trocar vivências

Comecei a pouco tempo fazer aulas de bordado num lugar da minha cidade chamado “Clube de Mães”. Na primeira aula, momento também de conhecer o espaço e as pessoas, deparei-me com muitas (muitas mesmo, tipo, 80% das alunas e professoras) idosas e, olha que massa, o clube é praticamente composto de mulheres! Além do bordado, elas ensinam outras técnicas de costura e artesanato, e ainda culinária, cabeleireira e manicure. Pagamos um valor simbólico de R$5,00 por mês (além de nosso material. No meu caso, apenas linhas, agulha e retalhos) e ganhamos um lanchinho super gostoso no final.

No início fiquei um pouco deslocada e me perguntando um pouco como seria a convivência com as senhoras. Mas logo que sentei na mesa junto com minhas “colegas de classe” e a professora Dona Maria (um amorzinho de pessoa, muito gentil e solícita) me senti à vontade. Comecei a escutar sobre o que aquelas mulheres conversavam, estou fazendo essa observação agora e percebi que os assuntos mais decorrentes são o quanto o artesanato as ajudam a lidar com os estresses da vida, de como vêem o bordado como uma deliciosa terapia, além de outros temas como os netos, as lembranças do passado, as experiências de vida, os problemas de saúde, as novenas e idas à igreja… E sério, tá sendo muito massa! Principalmente porque tenho visto que aquele lugar é uma válvula de escape e tanto pra elas e o companheirismo e laços construídos a partir das trocas de vivências, nossa, não tem preço! Elas se tornam amigas e é muito lindo ver que enquanto bordam, tricotam, fazem crochê ou pintam seguem desabafando, se alegrando, sorrindo. E eu também adoro somar e aprender com elas em cada conversa. Gosto também dessa parada de “falar sobre tudo e qualquer coisa”. São pessoas simples e me sinto muito livre perto delas, falamos da previsão do tempo ao possível afastamento do Cunha, de cirurgias à árvores… É bom demais se desligar um pouco dos “assuntos do mundo”, das preocupações teóricas e das dissertações intelectuais. É bom demais falar sobre bordado, sobre o que fazer naquela tarde depois da aula, sobre as coisas cotidianas, aparentemente desinteressantes (aparentemente!). Estou aprendendo a bordar e a trocar conhecimentos e experiências com mulheres muito legais, mulheres reais.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.