Deixei minha esperança no bolso do meu casaco verde

Não se enrola, não — Isabela Freitas
Pois é. Mais um romance não correspondido, mais uma uma vez eu gostei sem gostarem de mim.

Depois de um longo tempo sozinha, saindo com uns caras e outros, eu conheci um cara bem legal. Ele mora relativamente perto da minha casa, é ruivo, e bem alegre, gostava muito de sua companhia. Nosso primeiro encontro foi magico, combinamos em um subway perto de nossas casas, começou a chover do nada e fomos nos abrigar dentro do carro seu carro, lá dentro um clima de magia e sedução rolou de uma tal forma que me surpreendi, na verdade a minha maior surpresa foi encontrar com ele novamente agora e minha casa, comendo junto com a minha mãe na sala, isso foi de encher o meu coração de esperança. Mas no fundo eu sabia, só não queria enxergar, eu gostava dele e ele estava tentando gostar de mim.

Para ele eu era apenas uma amiga colorida, e para mim ele era meu namorado.

Varias vezes ele me dizia que tinha medo de que eu gosta-se dele, só que eu mentia para mim mesmo, dizendo que eu não gostava dele, mas na verdade estava apaixonada. Terminei uma vez com ele por causa dessa incerteza, mas uma semana depois já estávamos em um motel pobre transando em um quarto simples, eu amei nossa transa, foi uma das melhores de minha vida, mas mesmo assim eu sabia que no meio de tanto carinho faltava a paixão, eu pensava que com o tempo ela iria vir, mas não veio. Depois dessa noite de sexo eu esqueci meu casaco verde no carro dele, o que não sabia é que deixei também o meu coração lá, chegamos a nos ver depois disso mas logo ele veio com esses papos de que estava com medo de que eu gosta-se dele. Com a ajuda do meu psicologo eu percebi que essa relação era a troco de migalhas.

Eu dava sexo a ele esperando um romance, mas esse romance nunca veio, só o que eu recebia era carinho, e carinho não é amor.

Depois de mais ou menos três semanas entrei em contato com ele se como alguém que não quer nada (mas quer algo sim), perguntei sobre o meu casaco, se ele não podia me entregar hoje, ele disse que não por que já tinha um encontro. (encontro? Será que…Não?!) depois de alguns minutos eu tomei coragem e perguntei se ele já estava saindo com alguém, ele disse que sim. Que era alguém que tinha conhecido antes de mim, que agora ele estava afim de parar com ela e assumir um compromisso, nessa hora eu abri a minha gaveta e peguei a minha cara de pau. Digitei que estava feliz, que ele merecia alguém para o completar, que ele merece ser feliz por que é uma pessoa bem legal. Mas na verdade eu estava gritando internamente PORQUE NÃO EU?

Eu tento bancar a mulher evoluída e sábia, que sabe que não deu certo por que ele simplesmente ele não gosta de mim e que não a nada de errado nisso, mas não adianta, a razão nunca vai ser maior que a emoção, mesmo sabendo que a culpa não e minha e nem dele, me sinto um lixo, por que eu não consegui fazer ele feliz e outra consegue? Por que eu estou sozinha e os homens que me relacionei até onde eu sei também estão felizes com outras mulheres? Qual é o meu problema?

Depois desse ultimo cara eu meio que desisti. Não uso mais aplicativos de encontros. Minha vida agora é só trabalho.

Eu não estou falando que não vai aparecer alguém na minha vida, mas estou sem espareça que o próximo vai ser um cara que goste de mim, e eu goste dele.

Apenas quero tocar a minha vida de uma forma que não me machuque muito. Já que nesse mundo é proibido falar que alguém gosta de alguém.

Agora ele me mandou uma mensagem perguntando se eu estou em casa para devolver o meu casaco, menti falando que estou na casa de uma amiga. Sei que to fazendo criancice, mas que se dane. Fique com meu casaco e com meu coração. Fique com eles, consigo viver bem se vocês três.

Tá doendo, doí, esse é o resultado da minha dor do post Amigo pré-definido e agora a conclusão dessa história. Qual será a próxima?