Review: I wanna be the guy

Já faz algum tempo que os Gamer’s mais velhos vem reclamando que os jogos da nova geração são muito fáceis e que não há desafios nenhum neles. Se você conhece alguém que fica com esse mi mi mi, apresente a ele I wanna be the guy e depois o pergunte se ainda continua pensando assim.

Esse jogo foi uma febre em alguns canais de Gamer’s no YouTube, vários vídeos super engraçados de pessoas fazendo caras e bocas para apenas conseguir chegar no primeiro save point. Se você curte ver o sofrimento alheio, procure por lives e games player’s desse jogo que você não vai se arrepender.


Criado pelo Michel Kayim IWBTG é mais um jogo indie de sucesso, lançado em 2007 até hoje tem uma comunidade muito forte e ativa em sua volta. Isso por que Michel deixou livre o seu código fonte, onde qualquer programador de games pode criar novas fases, até mesmo fases mais difíceis ( por que não deixar mais difícil o que é quase impossível? )


“Eu quero ser o cara” é mais ou menos a tradução de I wanna be the guy, título que já diz praticamente o resumo da sua história, no jogo você controla o “the kid” que seria o garoto ou a criança, que quer se tornar o “the guy”, o cara. Esse the kid terá que viajar por vários mundos e derrotar vários chefes clássico de games antigos para se tornar o cara. Simples assim.

Com um design inspirado em jogos clássicos dos anos 80 e 90, para quem é veterano dessa época, vai. ter um pouco mais de facilidade em se adaptar aos seus comandos. Se você já. jogou. Battletoads e conseguiu zerar-lo, talvez você consiga se dar um pouco melhor com IWBTG, mas já quero alertar que Battletoads, uns dos jogos considerados mais difíceis nos anos 80, perto de IWBTG é amador. Os comandos do jogo praticamente são: andar, lançar uma garra, pular com pulo duplo e atirar. Há alguns itens escondido no jogo, mas nada que altere esses comandos. Ao total são 8 chefes, não há barra de vida e nem vida, nem mesmo a opção de ficar piscando ao encostar em um inimigo ou obstáculos perigosos. Ou seja: morreu, morreu. Conte apenas com a ajuda dos saves points, sua maior alegria desse jogo.


O nome desse jogo poderia ser Trolling Everywhere, pois quando você percebe, está levantando de sua cadeira, saltando de alegria pelo pulo perfeito que deu no jogo, mas basta dar dois passos que alguma coisa cai na sua cabeça, ou algum buraco se abre no chão, ou você é acertado por algum tiro. E assim seus 2 segundos de alegria se transformam em tristeza e raiva. Há um contador de mortes dentro do próprio jogo onde possibilita ver quantas vezes você já morreu nesse inferno, dizem que morrer mais de 2500 vezes é considerado muito pouco. Sabendo que o jogo foi criado com a intenção de fazer o jogador morrer diversas vezes, o seu criador facilitou essa transição de morte e vida, basta quando você morrer pressionar a tecla R e logo estará de volta ao último save point, uma ótima opção para não perder o ritmo masoquista do jogo (pressionando a tecla S você pode pular a introdução dos chefes).

I wanna be the guy é um jogo que dificilmente você vai conseguir terminar, mas eu recomendo baixar e jogar no seu PC para experimentar um pouco desse mix de felicidade e tristeza que é esse jogo. Mas se por acaso consiga passar da primeira fase desse jogo, para mim, você já é o cara ou a mina.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.