Nascida sozinha. Pronta para morrer sozinha.

"Nós estamos completamente sozinhos, nascemos sozinhos, morremos sozinhos… Todos nós um dia vamos olhar para trás em nossas vidas e perceber que, apesar de termos companhia, nós estamos sozinhos no modo mais completo. Eu não digo solitários — pelo menos não o tempo todo — mas essencialmente e finalmente, sozinhos. Isso é que torna o respeito por si mesmo algo tão importante, eu não vejo como você pode respeitar a si próprio se você tem que procurar no coração e na mente dos outros pela sua felicidade."

Original em inglês: “we are all alone, born alone, die alone, and — in spite of True Romance magazines — we shall all someday look back on our lives and see that, in spite of our company, we were alone the whole way. I do not say lonely — at least, not all the time — but essentially, and finally, alone. This is what makes your self-respect so important, and I don’t see how you can respect yourself if you must look in the hearts and minds of others for your happiness.”

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.