11 MESES

Vai filhona!! 11 meses de alegria, de orgulho, de honra em poder acompanhar suas primeiras descobertas, de satisfação em colocar a cabeça no travesseiro e conseguir calar todas as vozes loucas que me amedrontam à noite, num simples ato de te olhar. É bom demais te olhar, ver o quanto você já cresceu, pensar no quanto você ainda vai crescer e sim, se soltar cada vez mais de mim, criar sua própria identidade, aumentar suas vontades.

Nesse mês, pra dar uma variada, pensei em escrever um pouco sobre as minhas vontades.. sobre o que eu espero pra você.. só pra gente poder rir um pouquinho ou muito no futuro. Pra descontrair, quando você virar pra mim e falar “mãe, PRE-CI-SO de um brinco e de fazer a minha unha, vou correndo pra vovó”. Mas quanto mais eu penso nas minhas vontades em relação a você, mas quero suprimir elas até virarem um pontinho insignificante, porque você não é obrigada a seguir meus passos, ou minhas ideias. Recuso-me a ser uma daquelas mães doidas do “Pequenas Misses” que obrigam as filhas a usar dentadura e maquiagem aos 5 anos, só que ao contrário. É você que tem que decidir quem você quer ser. É claro que irei sutilmente soltar umas indiretas do que acho errado ou certo, mas sempre teremos seu papaizinho pra balancear as minhas opiniões, às vezes um pouco radicais.

Mês que vem você já faz um ano.. um ano filha. E aí imagino que o mundo vai girar ainda mais rápido, que o seu crescimento tão veloz desses primeiros tempos, vai fazer eu me tocar ainda mais da brevidade da vida, do quanto tudo é passageiro, e do quanto precisamos nos agarrar só ao que realmente nos faz bem..esse pouquinho que é a verdade de cada um de nós. Às vezes acho que filosofo demais quando escrevo pra você e que vai demorar muito pra você ter vontade de passar da quinta linha dos meus textos. Mas não posso me desculpar por ser quem sou, assim como não quero que você NUNCA se desculpe ou se envergonhe de ser quem você realmente é. Independentemente de você ser petralha, coxinha, isentona ou alienada, esquerda, direita, bicho-grilo ou patricinha, trans, assexual, pansexual ou até mesmo cis-hétero, dançarina, cantora, atriz ou os três (nem que você cante e dance só pra mim, quer dizer, comigo), só quero que você se sinta à vontade pra ser o que você quer ser. Eu vou estar aqui pra te amparar e te dar a segurança que te faltar.

Fico louca de pensar que eu vou escolher seu colégio ou os esportes que você vai praticar nesses seus primeiros anos… poxa, você que deveria decidir isso..

Viu como você me deixa confusa? Comecei o texto dizendo que ia falar das minhas vontades e termino me sentindo estranhamente culpada por escolher que você não coma carne por enquanto, por exemplo.

Basta! Vou pirar se continuar viajando nisso tudo. Não precisamos disso. Na nossa confusão, posso te dizer que viemos por um ótimo caminho até aqui. Afinal, você tá perfeita, você é perfeita. E eu, nunca fui tão feliz dentro e fora da minha própria felicidade.

Te amo por tudo.

ps: favor, não me pedir nunca pra me explicar sobre esses textos loucos e longos, são só os gritos do meu coração.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.