Noite escura da alma

Lua, venha me buscar
Aqui não aguento mais ficar
Desde que o brilho do meu olhar foi em solo lunar habitar

A atenção que dedico a ti, na terra onde estou simplesmente jaz.

Lua, venha me buscar
Faça um combinado com a luz solar 
E venham ambos me arrebatar

“Eu e o coração, companheiros de absurdos no noturno, no soturno, no entanto, entretanto e por tanto” — Raul Seixas.

Várias linhas místico-filosóficas e bla bla blas defendem que nós não podemos encontrar a luz sem antes incorporar a escuridão e que muitos buscadores na estrada para um nível de consciência mais elevado passam pela chamada “noite escura da alma”, até que experimentam a alegria de sua verdadeira natureza. Incentivaria a experiência, entretanto o sofrimento parece interminável. Vai na sua!