Porque toda a forma de estado é socialismo, e porque todo o socialismo é autoritário e parasitário?

“O estado é a grande ficção da qual todo mundo se esforça para viver à custa de todo mundo.”
- Claude Frédéric Bastiat

O comunismo veio com a ideia de ser a etapa final do socialismo. Quando no socialismo não existissem mais classes e tudo fosse se tornado do estado, a ideia seria de maximizar o mesmo, chegando o comunismo, pois segundo Marx o comunismo seria anarquista. (hahahaha) Seguindo esse raciocínio burro, o comunismo seria anarquista por que como tudo pertence ao estado, na verdade não existe mais estado, agora é tudo uma coisa só! Todo um pensamento coletivizado! Nossa que genial! Entendeu o raciocínio de Marx? Esquizofrênico não é? Ele nega a individualidade humana e trata as pessoas como se fossem animais previsíveis que pensam todos em objetivos comuns.

Nos dias de hoje, existe uma visão parecida, quando o governo brasileiro tem uma dívida. Esta sempre se torna uma “dívida pública”. Em vez de o governo tomar a responsabilidade, nós é que estamos com uma dívida, como se nós fossemos parte do estado (o que socialistas e comunistas defendem) até por que em um futuro encantador, segundo os socialistas, quando o estado se tornar grande possível para transformar tudo em público, então não haverá mais estado, será tudo uma coisa só.

Até por que não haveria se quer uma noção de o que é liberdade, a massa estaria tão manipulada pelo governo, que sequer ousaria se opor a ele.

Essa é a “anarquia” pós estado defendida por comunistas. Totalmente controvérsia e burra, até porque se você da poder ao estado, ele te escraviza e dita o que deve ser feito, cerceando assim, a sua liberdade. Totalmente o contrário da definição correta de anarquia.

Mas supondo que o estado (falo no estado real mesmo, não esse conto de fadas de Marx) seja abolido de fato, onde todos fossem realmente viver de baixo de um comunismo, sem estado, sem classes e baseado na propriedade comum dos meios de produção. O que aconteceria nesse “anarquismo”?

Mal sabe Marx que, em uma sociedade onde não haveria mais o estado como conhecemos, os indivíduos iriam se armar para defender as suas propriedades privadas, cada um exercendo a sua individualidade.

Ou seja, a sociedade não seria anarco-comunista como na visão de Marx, ela seria anarco-capitalista, como na visão de Hans Hermann Hoppe ou Murray Rothbard.

Seres humanos fazem coisas por meio do trabalho e negociam essas coisas para consequentemente acumular capital e desenvolvimento, ou por livre e espontânea vontade, para simplesmente sobreviver.

“Mas o PT tirou milhões da miséria.”

Se pobre hoje anda de avião e tem microondas em casa é justamente porque o mercado e a livre concorrência avançaram na tecnologia, baratearam custos de produção e os preços caíram, mesmo com o estado atrapalhando essas iniciativas.

Seu celular de 500 contos de hoje é milhares de vezes mais potente que o computador que levou o homem à Lua.

Jamais caia na ilusão que políticos ou partidos melhoram a vida de alguém. Eles no máximo podem deixar de atrapalhar não fazendo nada.

Porque a impressão de moeda é uma medida socialista, e porque socialismo é impraticável?

Por favor, pare de acreditar no estado e nos políticos!

O fato de o estado imprimir dinheiro para si, e afetar o valor da moeda por meio da manipulação dos preços do mercado, é uma forma de imposto indireto? Sim.

O estado causa inflação dos preços quando imprime dinheiro.

Se dinheiro em papel, nada mais é do que uma representação de valor de alguma coisa ou do trabalho de alguém, a desvalorização desse papel, implica na desvalorização dessa coisa ou desse trabalho.

Ou seja, quando o governo imprime moeda, ele desvaloriza o seu trabalho e você perde o seu poder de compra.

Acompanhem o raciocínio:

Impressão de dinheiro é desvalorização do valor da moeda por meio da expansão de oferta monetária, ou seja, se dinheiro em papel, nada mais é que uma representação do valor e o governo cria um valor desse só que artificial, a impressão de dinheiro é uma forma de imposto indireto, certo?

A partir desse raciocínio, chegamos a conclusão de que planejamento central é uma forma de socialismo e de distribuição de renda, porque a impressão de moeda não é voluntária. Ou seja, é uma agressão a propriedade privada das pessoas. É uma alteração e uma desvalorização da representação de valor (dinheiro) que as pessoas conseguiram com o trabalho. Este valor quando impresso pelo governo, desvaloriza e é repartido com o governo, que agora detém as notas impressas.

E o governo faz o que quer com esse dinheiro impresso. Inclusive COISAS QUE VOCÊ NÃO QUER QUE SEJAM FEITAS.

Acelerar a economia imprimindo dinheiro é fabricar uma coisa que não é real, é criar uma bolha, algo falso. É isso que aconteceu no Brasil. A impressão adoidada de dinheiro no governo Lula acarretou a crise econômica e política do atual governo Dilma. E é por isso que ela tem 80 % de desaprovação da população.

O governo simplesmente falsificou dinheiro com a promessa que daria oportunidade aos pobres, iludindo-os com crédito fácil, como uma bebida alcoólica anestesia o corpo quando ingerida. Te deixa alegre no começo, mas depois te deixa quebrado da ressaca…

Só que a ressaca dessa vez, foi pior do que nós imaginavamos.

A inflação é sempre e em toda a parte, é um fenômeno estritamente monetário. É a taxação sem representação com afirmou o Milton Friedman. Pois quando se criam tributos por legislação, a nova tributação implica em representação política, e anunciamento em público, permitindo a VISUALIZAÇÃO DO NOVO TRIBUTO, PELO CONTRIBUINTE e desgaste da imagem do político que a propõe…

No caso da inflação que é o aumento da quantidade de moeda e crédito acima do crescimento do PIB, não há essa representação e, ao aumentar a moeda e crédito acima do crescimento da riqueza real (bens e serviços) ocorre a desvalorização da moeda e corrupção do poder de compra e poupança dos cidadãos e empresas. Isso obriga o aumento generalizado dos preços, sendo os salários dos mais pobres os últimos a serem reajustados nesse processo, mas o mais grave é que a inflação falsifica os sinais de preços e salários e sucateia o parque produtivo do país, gerando os ciclos explosão e recessão na economia.

Novos tributos embora sejam repassados aos preços pelos empresários, não são inflacionados pois o cidadão privado que gerou a riqueza terá que gastar menos, para que o governo gaste mais com o novo imposto.

A inflação justamente existe no Brasil para financiar: 180 estatais, bancos públicos saqueados pelos governantes, Previdência Social, BNDES, Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, PAC, Universidades Públicas, Forças Armadas, Polícias e demais órgãos de estado.

Sabemos que o Brasil é um país comunista faz tempo e, por isso há tanto subdesenvolvimento. É obvio que como descobriu Ludvig Von Mises NÃO É POSSÍVEL O CÁLCULO ECONÔMICO NO SOCIALISMO PORQUE DENTRO DO ESTADO NÃO HÁ PROPRIEDADE PRIVADA VOLUNTÁRIA. A propriedade do estado não é legítima porque os bens que o sustenta são todos roubados dos trabalhadores.

NO ESTADO OS POLÍTICOS E BUROCRATAS NÃO SOFREREM NOS SEUS BOLSOS AS CONSEQUÊNCIAS DESSES GASTOS, OU SEJA, GESTÃO PÚBLICA É GESTÃO INCONSEQUENTE E ESCRAVIZADORA.

Existe na economia variações na oferta e na demanda de bens provocadas por sazonalidades havendo variações dos preços em função desses fenômenos em constante ocorrência, que se superpõem ao fenômeno inflacionário mas que não são inflação. Tudo o que causa inflação fora disso é socialismo na prática.

O problema é que quando o governo imprime dinheiro, ele não investe em nada e esse fator fictício “multiplicador de investimentos” que os políticos insistem em dizer que existe, não existe.

Até porque o estado dá para os bancos o dinheiro tomado do cidadão. Esses bancos que emprestam títulos a juro baixo para empresários, lucram porque o governo dá dinheiro a esses bancos, independente das taxas de juros que os mesmos tomam dos seus tomadores de empréstimos.

Empresários tomadores de empréstimos são os primeiros não afetados com a alta nos preços, pois tem mais dinheiro que o resto da população. Consequentemente, o poder aquisitivo desses tomadores de empréstimo aumenta, comprando mais coisas e deixando mercado mais escasso.

Escassez é uma das coisas que provoca alta nos preços.
Após isso acontecer, os preços aumentam e o poder aquisitivo dos que realmente trabalham e criam valor real, diminui. O que faz com quem é pobre fique cada vez mais pobre e o tomador de empréstimo, mais rico.

Ou seja, na verdade aquela história de que o capitalismo malvadão é que causa crises e que o governo é amigo dos pobres é justamente ao contrário. O governo tira dos pobres produtores para dar para os ricos, justamente quando imprime dinheiro e permite que bancos dêem juros baixos para os tomadores de empréstimo. Esses caras estarão sempre em vantagem.

Capitalismo é como um jogo de xadrez, não tem juiz, participa quem sabe e está de acordo com as regras. O estadismo deturpa isso e dá mais vantagens para uns e menos vantagens para outros. O estadismo transforma esse jogo de xadrez em uma partida de futebol com um juiz comprado e corrupto, que no caso é o estado.

O individuo pobre não pode nem deixar o dinheiro de baixo do colchão, ele se obriga ter que colocar o dinheiro em um banco justamente por causa da instituição que se diz estar ao seu lado, mas desvaloriza o dinheiro.

Bem vindo ao estado de bem-estar social.

Tem gente que ainda acredita que o estado é uma instituição boa e a favor dos pobres… Não passa de uma máfia manipuladora de rebanhos humanos.

O que é anarco-capitalismo?

Sabe aquela ideia que você aprendeu na escola que o anarquismo vai ser um caos, um tiroteio, guerras e fome?

Então, esquece essa ideia.

Anarquismo é ordem, estadismo é que é caos.

Um exemplo disso é que vemos todos os dias países (que possuem estados que se sustentam de impostos e violência contra pessoas pacíficas) com suas populações assoladas pela fome, miséria e violência e nunca paramos para pensar qual é o real motivo de porque o estado não consegue solucionar esses problemas. Estados de bem-estar social não existem e não é só a “corrupção” que fazem eles serem ineficientes, o próprio cálculo econômico sob o socialismo é impossível como vimos antes.

O problema é justamente que é o próprio estado que está parasitando a livre iniciativa e o trabalho das pessoas. A instituição estado corta seus braços e depois te dá um toco remendado, e afirma que fez algum milagre por você.

No mundo atual existem cerca de 100 milhões de pessoas que estão sem teto; 1 bilhão de analfabetos; 1,1 bilhão de pessoas vivem na pobreza e destas, 630 milhões são extremamente pobres com renda per capita anual bem menor que 275 dólares; 1 bilhão de pessoas passando fome; 1,5 bilhão de pessoas sem água potável; 150 milhões de crianças subnutridas com menos de 5 anos (uma para cada três no mundo).

Tudo isso, devido ao estadismo. Os estados só servem para: roubar pessoas, criar guerras, promover jogos políticos, desonestidade, populismo, mendicância, pobreza, brigas ideológicas, polarização da população em classes, cerceamento de liberdades, enjaulamento de pessoas que cometem crimes sem vítima, doutrinação coletivista nas escolas.

Não é papel do estado melhorar a vida das pessoas, é papel das próprias pessoas fazerem isso.

Resumindo:

Ser governado é ser: observado, inspecionado, espionado, direcionado, regulado, legislado, censurado, doutrinado, julgado, proibido, ter seu valor calculado e pesado, ser anotado, enumerado, registrado, inscrito, autorizado, licenciado, carimbado, controlado, avaliado, multado, medido, reprimido, julgado, desarmado, rastreado, espancado, asfixiado, aprisionado, baleado, condenado, traído, taxado e ainda por cima preso atrás de barras se você esquecer desses fatos, tudo isso por homens que são pagos pelo fruto do seu trabalho, pelo roubo do que eles chamam de imposto.

As pessoas não percebem, mas foram feitas de escravas pela utilidade pública. Não importa se você questiona esse absurdo fútil, coercitivo e escravizador que é o estado, as pessoas sempre serão roubadas pelo “bem comum” enquanto o que só recebem é tirania, pobreza, violência, corrupção e descaso.

Somos ensinados a crer que a liberdade é algo ruim e desastroso desde pequenos, mas o que acontece na realidade é o contrário. Sem governo, sem problemas. A sociedade se organizaria de um modo muito melhor se não houvessem autoridades parasitas e o poder fosse descentralizado. Iria haver equilíbrio entre as relações humanas, não guerras como já aconteceu na história. Hoje o mundo mudou completamente com a tecnologia, todos estão conectados e conscientes. Ninguém mais vai guerrear por motivos idiotas como no passado. A educação se universalizou.

Porque imposto é roubo e o estado é imoral e não legítimo?

Já que Marx defendia a chegada do anarco-comunismo por meio do estado, paramos para pensar: como o estado se mantém vivo?

Ele se mantém pelo imposto, uma forma ilegítima de espoliação de bens, ou seja, roubo. Mas e aí, por que imposto é roubo?

Um político, na sua função, empreende? Fornece serviços? Produz? É mão de obra? Não para todas as perguntas? Então por que um político recebe salário?
O estado é o maior esquema de ganhar dinheiro sem fazer nada. É o esquema de “ganhar dinheiro nas custas dos outros”.

Falar que sonegação de imposto é lesão aos cofres públicos é o mesmo que dizer: “Se um assaltante vier me assaltar, e eu não deixar, isso seria lesão ao bolso do ladrão.”

“Se imposto sem consentimento não é roubo, então bastam todos os ladrões se declararem um governo para que todos os seus roubos se tornem justificados”
Lysander Spooner

O imposto é o oposto da propriedade privada, já que, se você é obrigado a dar uma quantia ao estado, isso é violação de propriedade privada. O dinheiro é seu, você compra, contrata e faz o que quiser com ele, alguém usando de coerção para que você pague o estado é um grande exemplo de imoralidade e ilegitimidade.

Hoje em dia o pessoal ainda acha que política é a solução, quando na verdade, é um câncer que só tende a crescer. Continuam sempre vangloriando políticos, concordando com a instituição estado. Mesmo que o imposto estivesse sendo usado para coisas boas, melhorias em âmbitos sociais, ainda sim seria errado, simplesmente por que IMPOSTO É INEVITAVELMENTE ROUBO INSTITUCIONALIZADO ILEGITIMAMENTE.

Você sabe o que fazer com o SEU dinheiro, e sabe BEM MELHOR que o estado.

“De todas as coisas organizadas, é o Estado, em qualquer parte ou época, a mais mal organizada de todas.” — Fernando Pessoa

Em seu livro “Livre para Escolher”, Milton Friedman descreveu quatro maneiras de se gastar dinheiro. E a melhor, sabe qual é? Adivinha…

Continua sendo gastar o seu próprio dinheiro consigo mesmo e com seus próprios interesses. Você faz mais bem para os outros e para a sociedade como um todo quando negocia, do que quando paga os seus impostos por exemplo. Você contribui com o lucro de todas as pessoas que te servem. É uma troca mútua.

Olha só o que Milton Friedman fala:

  1. Você gastar seu próprio dinheiro consigo mesmo é ótimo. (individualismo)
  2. Você gastar seu próprio dinheiro com terceiros é legal. (altruísmo)
  3. Você gastar o dinheiro dos outros consigo mesmo é ruim. (empréstimo ou roubo)
  4. Você gastar o dinheiro dos outros com terceiros é péssimo. (estadismo ou roubo)

Agora que sabemos que o estado é um câncer, porque o melhor tipo de sociedade seria o anarco-capitalismo no âmbito atual?

Pra entrarmos nessa questão, primeiro devemos observar as ações e interações humanas. Devemos prever o que vai acontecer e Ludvig Von Mises, explica isso pela praxeologia:

Praxeologia que vem do grego praxis (ação, prática) é uma metodologia que tenta explicar a estrutura lógica da ação humana. Praxeologia é o estudo dos fatores que levam as pessoas a atingirem seus propósitos individuais.

Para a praxeologia a Ação humana é todo comportamento propositado, aquele que busca atingir um dado fim, de longo alcance.

Comportamento propositado é consciente, o oposto de comportamento inconsciente, isto é, do comportamento realizado por atos reflexos, respostas involuntárias das células do corpo aos estímulos.

Para Mises, um homem em estado de contentamento ou de satisfação não busca realizar ações.

O homem busca sempre substituir um estado menos satisfatório por outro mais satisfatório. Sua mente imagina situações que lhe são mais propícias (planejamento) e sua ação procura realizar esta situação desejada (implementação e desenvolvimento).

Porque suprimir a individualidade do ser humano e a capacidade de planejamento, implementação e desenvolvimento por meio de uma autoridade central?

O ser humano com sua individualidade é perfeitamente capaz de analisar qual é a melhor forma de interagir com o ambiente e com as pessoas a sua volta. Essa força que impele o homem à ação é sempre um desconforto com seu estado atual ou sua percepção de situação no mundo, o que faz o mesmo desencadear ações para melhorar a sua vida.

Terceirizar essa responsabilidade de desejo de melhora a um governo, é negar a natureza da ação humana.

Todas estas insatisfações podem ser a causa de ações. O homem perfeitamente satisfeito com a sua situação não teria incentivo para mudar seu estado de vida para melhor.

E é isso que a ideologia do comunismo prega, a satisfação na pobreza e na terceirização ao estado da responsabilidade individual de altruísmo com os mais pobres e desamparados. Você simplesmente não ajuda os pobres individualmente com o seu próprio altruísmo pois “existe uma autoridade encarregada de roubar valores dos outros e fazer isso”.

A ideia de estado provedor deturpa o senso de individualidade e terceiriza a vontade de melhora de vida do ser humano para com as suas condições. O estado torna a pessoa nascida no seu território escrava do planejamento dele e ele é quem decide o que você pode ou não melhorar.

Nenhum governo é capaz de planejar, implementar e desenvolver a vida das pessoas melhor que elas próprias. Elas é que resolvem o que vai ser feito na sua vida trocando serviços com outras pessoas por meio do capitalismo.

“O ser humano se não tivesse insatisfações, não teria nem aspirações nem desejos; seria perfeitamente feliz. Não agiria; viveria simplesmente livre de preocupações.”

“A ação é a vontade posta em funcionamento, transformada em força motriz; é procurar alcançar fins e objetivos; é a significativa resposta do ego aos estímulos e às condições do seu meio ambiente; é o ajustamento consciente ao estado do universo que lhe determina a vida.” — Ludvig Von Mises

Se o que o ser humano quer é sempre melhorar o estado de insatisfação que está, deixe ele fazer isso de forma livre e não política, pois assim o mesmo beneficia todos os que estão a sua volta com o trabalho e com a livre iniciativa.

Meios políticos só servem para enganar a população.

Israel Angelo Finardi.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.