Algumas pessoas entram na sua vida e mudam a sua cabeça, não é mesmo? Aquela monotonia de sempre não existe mais, a sua visão de mundo muda totalmente, você começa a ver as coisas mais coloridas e o futuro sempre florido, não importa o que aconteça. Comigo não foi diferente… A minha vida amorosa estava sem perspectiva – real oficial – e os resultados de umas curtidas foram aparecer um ano depois. Aquela mulher, de cabelo curto, olhos castanhos e com a personalidade mais marcante da minha existência nesse plano apareceu, toda charmosa, independente e carinhosa, ela entrou na minha vida e como um caminhão desgovernado, foi destruindo tudo o que de ruim eu ainda tinha em mim – em partes. Sobraram só as coisas boas, aquele carinho gostoso que eu tenho por ela, aquele querer estar junto sempre, o valor que ela conquistou pra mim e os planos de sempre fazer alguma coisa juntos… Conhecer lugares, comer juntos, fazer maratona de Harry Potter, tudo isso estava sempre programado, até que eu descobri que algumas coisas ruins sobraram aqui dentro, e elas começaram a ser mais fortes que eu, mesmo sem eu perceber totalmente, e tudo isso começou a desgastar a relação, até que um dia numa conversa pra resolver as coisas, acabamos dando um tempo para colocar a cabeça no lugar. Eu viajei, ela trabalhou, nossas vidas seguiram, até que ela me chamou de para conversarmos, não sobre nós dois, mas sobre a vida, sobre acontecimentos, sobre o trabalho, mas sempre com aquele pé atrás. Eu prometi mudar, e mudei, na minha visão da concepção.

O ciúmes não era mais demonstrado, ele era presente, mas aprendi a segurar essa emoção, sobre ser invasivo eu não percebi estar sendo mais, porém posso ter sido sim, só que menos que das outras vezes antes da pausa. Passaram-se três semanas e ela pediu novamente um espaço, e eu, como tenho semancol, bom senso, dei o espaço tranquilamente. Ela merece esses tempos, esses espaços. Já me fez tão bem, não é justo da minha parte querer frear alguma coisa que ela coloca na cabeça. A mudança só vem com o tempo, mas as coisas já são vistas com bons olhos. O ciúmes é presente, mas não é demonstrado, e isso já é um sinal de mudança brutal na minha vida com algo que já me causou tanto mal. Sobre a invasão, bem, eu realmente estou tentando mudá-la, e um dia, quem sabe logo, eu mudo essa minha personalidade. A perspectiva é boa, a resposta está sendo positiva quanto a isso, mas sempre é bom frisar que a mudança vem com o tempo e não de uma hora pra outra.

Sempre quando sozinho me pego pensando em como as coisas poderiam estar se eu não tivesse pedido para conversar naquela quinta feira a tarde, se eu tivesse sido uma pessoa normal dentro de uma relação, se nada disso tivesse acontecido da forma como aconteceu… Bem, são coisas só pra imaginar, mesmo, a merda já está feita e se é que algo pode mudar isso, eu não sei. Fico aqui na torcida para que tudo dê certo, tudo se encaixe novamente, possamos ser um par outra vez e sentaremos de novo na Roosevelt pra dar risada e tomar uma cerveja. Os caminhos há de se cruzarem novamente.

Eis aqui o relato de quem acertou, mas errou bastante, e com quem não deveria ter errado ou se precipitado, não no se envolver, muito pelo contrário, mas no tratar da relação. Um dia tudo será diferente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.