Uma vida de persistência

Piracanjuba está encravada no sul de Goiás. Quando Sebastião de Araújo Melo lá nasceu, em 24 de julho de 1958, em uma propriedade de 35 hectares distante do centro da pequena cidade, nada indicava que um dia ele alcançaria destaque na cena política de uma capital.

Os pais de Melo — Lázaro e Maria José— sempre trabalharam na roça. A família vivia sem água encanada e energia elétrica e plantava o que comia: arroz, feijão, tomate e abóbora. “A regra em Goiás é crescer, capinar roça, casar com a filha do vizinho, construir uma casa e ter cinco filhos. Eu tinha uma vontade louca de sair daquela vida”, afirmou em entrevista ao jornal Correio do Povo o candidato de 58 anos.

Em 1977, motivado pelas histórias de gaúchos que migraram para Goiás, Melo resolveu seguir estrada, rumo ao Rio Grande do Sul. Antes disso, parou na cidade mineira de João Pinheiro, onde também trabalhava e estudava. Na cidade, terminou o Ensino Fundamental. De Minas Gerais, partiu para Brasília, onde pegou um ônibus que iria direto para a capital gaúcha.

Com duas malas nas mãos, Melo desembarcou na Rodoviária de Porto Alegre em 16 de fevereiro de 1978, após três dias de viagem. O candidato chegou à cidade em meio ao calor do verão porto-alegrense, sem conhecer ninguém. Uma senhora que sentou ao lado de Melo no ônibus que o trouxe até a cidade lhe indicou uma casa de estudantes na rua Riachuelo, no Centro. Porém, a casa aceitava apenas estudantes universitários — Melo só tinha o diploma de conclusão do Ensino Fundamental e acabou indo parar em uma casa próxima, na rua Fernando Machado.

Melo seguiu a rotina que levava antes de chegar no Rio Grande: trabalho e estudo. Concluiu o Ensino Médio no Colégio Estadual Floriano Peixoto, no bairro Floresta. Para se sustentar, passou por vários empregos. Foi carregador de caixas na Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa), chapista em lancherias e vendedor de material de construção.

Após concluir o Ensino Médio, Melo começou a cursar Direito na Unisinos, onde acabou se formando em 1988. A partir de então, exerceu a advocacia, atuando no Tribunal do Júri. Também foi conselheiro estadual da OAB-RS. Exerceu o Direito até 2000, quando conquistou seu primeiro mandato na vida pública: o de vereador.

Melo é casado com a publicitária Valéria Leopoldina e é pai de dois filhos: João Arthur, de 16 anos, e Pablo, de 35.

Vida política

Melo é filiado ao PMDB desde 14 de setembro de 1981 e nunca trocou de partido. No ano seguinte, concorreu pela primeira vez a vereador e obteve 1.498 votos, ficando na suplência. Desempenho semelhante teve seu correligionário Idenir Cecchim, hoje vereador reeleito pelo PMDB com o apoio de Melo.

Quatro anos depois, quando o petista Olívio Dutra venceu o pleito, Melo tentou novamente uma vaga na Câmara de Vereadores e, mais uma vez, não conseguiu êxito. Atingiu desempenho semelhante ao da eleição anterior: 1.532 votos.

A partir de então, Melo aumentou sua votação a cada pleito. Em 1992, ficou na suplência com 2.773 votos. Persistente, tentou mais uma vez quatro anos depois, quando bateu na trave com 5.735 votos, obtendo a primeira suplência do PMDB.

Em 2000, após ser derrotado nas prévias do partido para a definição do candidato à Prefeitura — o vencedor foi Cézar Busatto — veio enfim a consagração. Melo foi eleito vereador da Capital com 4.946 votos, votação menor do que a anterior, mas necessária para o candidato entrar na rabeira da lista de eleitos. O falecido ex-deputado Mendes Ribeiro Filho foi candidato a prefeito pelo partido em 2004, e Melo foi o segundo candidato a vereador mais votado do PMDB, com 8.525 votos. Na eleição seguinte, em 2008, foi o terceiro mais votado entre todos os candidatos, com 10.857 votos.

Em 2012, elegeu-se vice-prefeito de Porto Alegre ao lado de José Fortunati. Desde então, vem assumindo posições de destaque na gestão. Em janeiro deste ano, quando comandou interinamente a Prefeitura — Fortunati estava em férias — a cidade foi gravemente atingida por um temporal. Sua atuação no episódio o credenciou para a disputa eleitoral.

Para fortalecer sua candidatura, Melo formou uma coligação de 14 partidos, o que lhe garantiu o maior tempo de horário eleitoral no rádio e TV. Sua candidata a vice-prefeita é a deputada estadual Juliana Brizola (PDT), neta de Leonel Brizola.

Publicado originalmente no Editorial J, em 29/10/2016
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.