Do papel ao app: veja a evolução da conta corrente ao longo dos anos

Abrir uma conta corrente é fácil hoje em dia. Tudo que você precisa é baixar o aplicativo Abreconta do Itaú, ter em mãos seu documento de identificação e um comprovante de endereço recente. Depois, é só seguir os passos e enviar o pedido de abertura de conta. Para acessar e verificar a sua conta, nada melhor do que o app do banco. Simples, não?

Mas e como era para abrir e administrar uma conta corrente no passado? Será que sacar dinheiro era tão simples quanto hoje? Com a ausência de computadores e celulares, um mundo de ferramentas analógicas ditavam o cotidiano de qualquer agência. Pensando nisso, voltamos no tempo. Fomos até os anos 1950, 1960 e 1980 para resgatar uma série de informações curiosas sobre a abertura e administração de contas correntes.

Década de 1950

Notificações e registros do banco entregues com bicicleta? Anotações feitas com uma tinta que manchava tudo? Cálculos feitos de cabeça? Nos anos 1950, o registro e administração das contas dos clientes era uma atividade nada fácil:

“Naquele tempo havia nos bancos os ‘homens azuis’. É que para registrar as contas correntes, usavam-se as cartelas, nas quais se anotava, com lápis cópia, o débito, o crédito e o saldo. Assim, com o calor, o suor escorria para os lápis de grafite especial, que soltavam uma tinta azul, a qual, por sua vez, manchava tudo, fossem as mãos e o rosto dos funcionários, fossem suas roupas ou papéis com que estavam lidando.
Era um tempo também em que os avisos bancários eram entregues de bicicleta, e não havia calculadoras — todas as contas eram feitas à mão e de cabeça. Os bancos abriam ao meio-dia e fechavam às quatro da tarde. Pela manhã, os funcionários tentavam pôr ordem nas contas e documentos — era o expediente interno.” Fonte: livro Itaú Unibanco 90 anos

Década de 1960

Festivais de música, a expansão do movimento hippie, The Beatles, Jovem Guarda e, claro, uma pitada considerável de pura inovação. Foi nos anos 1960 que o banco implantou as as primeiras máquinas de caixa que autenticavam o documento.

“Uma das primeiras etapas de mecanização foi a implantação de máquinas que lançavam contas correntes. O funcionário apanhava a cartelinha, colocava na máquina e esta registrava por processo de impressão, calculava o saldo e podia tirar uma cópia do extrato. Implantaram-se máquinas de conta corrente e máquinas de caixa que autenticavam o documento.
Simultaneamente, na contabilidade central foram instaladas máquinas mais modernas, com calculadoras eletrônicas acopladas, deficientes, mas que num primeiro momento foram utilíssimas.” Fonte: livro Itaú 50 anos

Década de 1970

Já pensou em sacar dinheiro a qualquer hora do dia? Se hoje isso é algo comum, nos anos 1970 foi uma verdadeira evolução tecnológica. Pela primeira vez, o brasileiro podia sacar dinheiro fora do horário do funcionamento do banco, ganhando mais autonomia e conveniência. Não é magia, é tecnologia: conheça o Itaúchek.

Considerado o avô dos caixas eletrônicos atuais, o Itaúchek permitia que alguns clientes retirassem quantidades limitadas de dinheiro, que vinham em estojos plásticos. Ele foi a solução encontrada pelo Itaú enquanto desenvolvia a Automatic Teller Machine (ATM), o caixa eletrônico. “Vigorava no país a Política Nacional de Informática, que limitava a importação de computadores. Tínhamos de desenvolver tudo internamente, o que nos gerou um atraso”, conta Renato Cuoco, membro do conselho da Itautec.
Perto do que os caixas eletrônicos fazem hoje, a operação que o Itaúchek realizava era simples: “Ele era um dispensador de dinheiro”, diz Renato. Clientes com crédito tinham direito a um número limitado de cartões com furos, que eram interpretados pela máquina. Apesar de a operação ser limitada, o serviço era inovador na época. Fonte: Memória Itaú

Década de 1980

A evolução tecnológica não pode parar. No início da década de 1980, era hora de o Itaúchek evoluir e dar lugar aos primeiros caixas eletrônicos nas agências do Itaú.

Os primeiros serviços oferecidos pelos caixas eram simples: saque de dinheiro, consulta de saldo e retirada de extrato. Mas permitiram ainda mais praticidade aos clientes, que podiam acessar a sua conta de qualquer agência e a qualquer momento. “Os clientes ficavam impressionados. Eles sacavam dinheiro e já corriam para outra máquina para verificar o seu saldo, que era atualizado na hora”, conta Renato.
No começo, apenas alguns clientes tinham acesso aos caixas. Mas, com o avanço da tecnologia e do aumento de serviços e produtos oferecidos, eles começaram a ter mais funções e se tornaram mais democráticos. Fonte: Memória Itaú

Década de 1990 e 2000

Com a capacidade de processamento de dados dobrando a cada 18 meses, não é difícil ver aquele computador recém-lançado ser rapidamente substituído por um aparelho ainda mais inovador. A evolução é constante. Entre os anos 1990 e 2000, um verdadeiro salto. O extrato inicialmente tirado pelo fax logo migrou para a internet —somos o primeiro banco online do Brasil.

A relação do banco com as novas tecnologias até serviu de inspiração para uma de nossas campanhas ao som da música “Pela Internet”, do cantor e compositor Gilberto Gil.

Antes mesmo da virada do século o Itaú já havia chegado aos celulares com a tecnologia sem fio Wireless Aplication Protocol (WAP), facilitando ainda mais o acesso dos usuários.

Desde o lançamento do primeiro aplicativo do banco para iPhone, em 2008, diversas foram as versões e novas atualizações para facilitar ainda mais a sua vida.

Em 2009 foi a vez de alcançar os aparelhos com o sistema Android e modelos de Blackberry. Hoje, são dezenas de aplicativos e ferramentas para diferentes sistemas operacionais.

Década de 2010

Você não precisa mais sair de casa para abrir uma conta no banco. Com o Abreconta, a abertura da conta corrente pode ser feita de forma 100% digital, pelo seu smartphone.

Para iniciar, você vai precisar ter em mãos seu documento de identificação e um comprovante de endereço recente. Depois, é só seguir os passos e enviar seu pedido de abertura de conta.

Vamos começar? Baixe grátis e seja um cliente Itaú :)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.