Aquilo que eu sei

Meu ponto de vista sobre música, qualidade, entretenimento e arte

Aquilo que liberta a mente e faz a gente viajar mas sem tirar os pés do chão; que tem o poder de confortar e fazer companhia; aquela coisa que te acompanha tanto nos momentos ruins quanto nos momentos bons; aquilo que te transmite uma mensagem, seja reflexiva ou de puro entretenimento; que tem letra, coesão e sentimento; aquele ar fresco de novidade e nostalgia, que traz recordações e constrói memórias de novos tempos. Sim, estou falando de música! E pode ser ilustrada com vídeos (oh god!), encartes e apresentações de teatro (?!).

Já houve um tempo em que julgava algumas músicas, cantores e bandas como sem qualidade (mas quê sou eu para julgar algo?!), hoje eu vejo como entretenimento e arte, e mesmo sabendo que um é relacionado com o outro, o que é arte prevalece, o entretenimento cai no ostracismo, fica desatualizado, mas toda música é manifestação de cultura, afinal o funk nada mais é do que a utopia e a realidade de quem o faz, da mesma forma é com o jazz, ou o rock… A relação entre arte e entendimento é transmitido pelo artista da forma mais arcaica: fazendo, e o interpretar vai do apreciador. Toda forma, não há conceitos grandiosos o suficiente para determinar parâmetros de qualidade.

Toda manifestação em sons feito pelo mundo. Isso pra mim é música, a cultura em cada olhar dado por cada som.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.