Se nada der certo…

Ele aprendeu cedo que precisa lutar pela vida. Assim dizia seu pai, assim dizia seu avô, assim dizia o livro de autoajuda que pega poeira na estante. Diziam isso às 5 da manhã, hora que acordam os que vencem na vida.

Tem que estudar. E tem que trabalhar. Mas tem que estudar muito, o mundo hoje pede um profissional de primeira, que atua nos mais diversos campos. E tem que trabalhar muito, fazer a diferença, mostrar pra que veio, ser destaque na empresa dos destaques. Tem que vencer na vida.

Não pode deixar o corpo de lado. É preciso comer bem. Prato colorido, equilibrado. Pouco café, mesmo que você precise de muito café pra acordar às 5 da manhã (a hora dos vencedores). Café faz mal. E pouco carboidrato também. Tem que ir pra academia, correr, andar de bicicleta e fazer natação. Quem vence na vida tem bíceps largos.

Importante: oito horas de sono. Pra acordar cinco, tem que dormir às 21 horas. Um problema, né, já que é bem na hora que ele chega da academia. E ele pretendia estudar um pouco mais um assunto novo, pra ficar mais diversificado pro mercado de trabalho. Falando em trabalho, tem um relatório pra terminar. Mas ele precisa de oito horas de sono. O sono de quem vence.

Existe, porém, a indesejável possibilidade de tudo isso desandar. Nessa possibilidade ele acorda até mais cedo, mas pra ver o sol nascer. De tomar um café com calma e subir na bicicleta para ir à praia, ver o mar. De voltar pra casa e almoçar, pra depois dormir a tarde inteira. De acordar de noite e ler um livro, assistir um filme. Existe, sim, essa indigesta chance. Se nada der certo, só restará ser feliz.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.