5 coisas básicas sobre o impeachment que você tem que saber para não repetir besteiras por aí

Dilma e Paulo Skaf; uma imagem realmente vale mais do que mil palavras

Já que daqui a pouco Dilma vai ter que sair do governo, aqui vão 5 coisas básicas que você tem que saber para não repetir desinformações por aí:

1.Temer foi eleito democraticamente com 54 milhões de votos para assumir caso Dilma tenha que sair do seu cargo. Existe um motivo por qual as pessoas votam numa chapa, não em presidente e vice separadamente. Se você está achando terrível essa situação, bem, preste mais atenção próxima vez;

2. Eduardo Cunha não vai virar vice-presidente quando Dilma for embora. Cunha é o presidente da Câmara, e se por acaso o Temer morrer, por exemplo, ele não assume o comando do país em definitivo, de fato, todo o seu poder dura três meses que por lei é o tempo que ele tem para convocar novas eleições. E, vejam só, esta é uma prerrogativa do cargo de presidente da Câmara, mesmo que o Cunha não seja cassado, o mandato dele termina em dezembro e não pode ser reeleito para o posto.

3. Quem julga se algo é crime de responsabilidade ou não é o Congresso. O governo diz que “não existe crime de responsabilidade”. Os autores do pedido de impeachment dizem que “há crime de responsabilidade”. Quem tem a palavra final é o Congresso, que vai decidir se o denunciado pelos autores do pedido está no rol descrito pelos crimes de responsabilidade, e serve como juiz neste caso.

4. Por que Cunha sentou no processo de impeachment durante meses? Porque estava negociando com o PT um meio de salvar o seu mandato e o de Dilma. Não só isso, Valdemar Costa Neto, “dono” do PR, negociou cargos e ministérios com emissários do governo dentro da sua casa porque, bem, ele cumpre prisão domiciliar graças ao Mensalão. Lula está desde o início da semana hospedado em um hotel que pertence ao Fundo de Pensão da Caixa Econômica Federal, o Golden Tulip, em Brasília, fazendo negociatas envolvendo dinheiro e cargos. Ontem foi para São Paulo de Jatinho, e voltou hoje de manhã também de jatinho para capital federal. Vocês sabem quanto isso custa? Quem está bancando?

Pare de acreditar que política é uma batalha de bem contra o mal, ou você fatalmente irá virar idiota útil de algum político corrupto.

5. Não é pedalada. É fraude fiscal. Dilma deixou o governo sem dinheiro em 2014 porque gastou demais ajudando os homens mais ricos do país via BNDES, dando desonerações para os grandes industriais de São Paulo, e criando obras megalomaníacas como Belo Monte que tiveram como principal função fazer caixa para o seu partido. Em vez de segurar as rédeas e não quebrar o país, ela maquiou as contas públicas tomando empréstimos ilegais junto aos bancos públicos, e gastou ainda mais para ser reeleita.

Isso é proibido? É. Desde 2000, depois de descobrimos da pior forma possível com Geisel, Figueiredo, Sarney, e Collor que esta é a raiz da crise, corrupção, inflação, desemprego, etc., o legislador pôs a falta responsabilidade fiscal como um dos crimes de responsabilidade. Algo que em 2005, até o PT, na pessoa do então ministro Antônio Palocci, reconheceu como correto.