‘Mad Men’ e o que há por trás do ‘Zou Bisou Bisou’

Quinta temporada do seriado traz mudanças e as reações

A cena se tornará icônica não importa o que ainda vá acontecer no seriado. Megan, agora casada com Don, resolve fazer uma festa surpresa para ele — que completa 40 anos. Em determinado momento da comemoração, com direito a banda e amigos “coloridos” da jovem esposa e outros amigos dele, ela decide dar o seu presente ao marido. Então, pega o microfone e começa cantar “Zou Bisou Bisou” da artista francesa Gillian Hill’s. O clima de “vergonha alheia” misturado com constrangimento e ao mesmo tempo surpresa em verem o talento da moça, na verdade significa muito mais do que é mostrado. E é isso que torna Mad Men genial, fazendo um retorno triunfal.

Mad Men é centrado na vida de Richard “Dick” Whitman, um homem com um passado obscuro, cheio de dor e decepções. Ele encontra na identidade de Don Draper uma forma de apagar o que passou e se tornar o homem que deseja ser. Nos anos 60, a publicidade desempenhava um grande papel com o desenvolvimento das grandes corporações e a evolução das mídias sociais. Logo, Draper se transforma em um poderoso executivo de uma companhia publicitária e é reconhecido pelo seu temperamento e seu olhar visionário. Casou-se com uma bela modelo, teve filhos. Entretanto, por mais que tente, a verdade o puxa para trás. Os impulsos o fazem adúltero e, por vezes, cruel. O vazio existencial deste homem se espalha ao redor de uma forma gradual e, quanto mais próximo dele, mais afetado. O american way life não é fácil de se viver quando sua vida se vê estagnada.

Na temporada anterior, Draper tinha como principal questão o envelhecimento. Passava por um divórcio e precisava conhecer alguém para substituir sua esposa. Algo novo. A escolhida é a bela secretária Megan. Agora cerca de um ano após o casamento, sua vida parece estável, porém, os sinais que Dick está ali aos poucos vão saindo das sombras. O plano de fundo da série sempre foi e será a imagem. E a preocupação de Draper é manter essa imagem poderosa. A surpresa feita por Megan não foi bem aceita por isso. Ele sempre aceitou o novo muito bem, mas sempre se manteve numa posição longe e segura. A nova geração, representada por Megan, estava ali agora, mais próxima que nunca. Ela tem uma veia artística que ele provavelmente não sabia. Tem o poder feminino que sempre fora explorado na série dentro da empresa e mostrava seu crescimento. E sendo exposto para os seus principais colegas de trabalho que estranhavam os dotes artísticos e ousados de Megan — a mulher escolhida por ele. O verdadeiro Don Draper estava quase desnudo, sem reação.

Mas Don não demonstra isso, em um diálogo com a esposa, mesmo ela sabendo da verdade de seu passado — que ele na verdade é Dick e não Don — e dizendo que o ama assim mesmo, ele a “rejeita” dizendo que o problema é sua idade e que vai dormir. Megan caminha para fora do quarto e se vê sozinha na varanda olhando para fora do apartamento. Viver com Don Draper é assim. E você precisa se acostumar com o vazio deste homem atormentado e preocupado com as aparências. Que já assediou mulheres do escritório. Deste homem que não sabe reagir aos novos tempos agora que eles chegaram. Em um mundo em contantes mudanças tecnológicas em meio a luta pelos direitos civis e as variações de comportamento da sociedade. E não é só com ele as dificuldades, é com a Peggy, a Joan, o Roger e o Pete. Todos perdidos nas mudanças, assimilando e tentando aceitá-las, ou não. Eles trabalham com isso e precisam se reencontrar.

Mad Men continua afinada e incrível. E as questões continuam sendo tratadas de forma subjetiva, sem alarde. Quem diria que tinha tanta coisa por trás de um hilário “Zou Bisou Bisou”.


Originally published at projectmonkeys.blogspot.com.br on April 26, 2012.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Ivan Monteiro’s story.