Na terra do “para sempre”

Nesse lugar as pessoas vivem como se nunca tivessem que abandonar suas terras. Acreditam que viverão ali tranquilas parao resto de suas vidas. E parece que ninguém aparece para avisar que talvez um dia suas casas vão ter que ser demolidas sem dó nem piedade. Aí fica um “para onde ir agora? como vou fazer para viver na “Terra do Nada é Garantido?” Mas vai. E vai ter que dar conta. E com certeza, dará.

Quase todo mundo quer mesmo é acreditar que é pra sempre. Finais são tristes e quando você acompanha um, mesmo que seja de longe, é possível sentir a dor. Por que, quem nunca? Mas a verdade é que a gente não sabe se vai ser pra sempre. Na verdade, a gente mais acredita que não será e já se convence desse sofrimento, quase como quem evita sofrer. É se convencendo que dói menos. Diz que.

Ilusão ou não, conto de fadas ou não, a dor de um fim é latente, cortante, mas acima de tudo duvidosa. Não se sabe mais como acreditar na vida, nas pessoas ou em você mesmo. Porque como as coisas podem ser para sempre se nem a gente é?

Se você veio, viu e venceu, até aqui que seja, segue em frente. Deve haver algo mais ali e mais dor que não há de ser. Porque esse novo lugar pode ser desconfortável, mas esse incomodo, assim como a “Terra do Para Sempre” não deve durar uma eternidade.

*Para as melhores pessoas que eu conheço no mundo.