Mágica

Na vida o que a gente procura é mágica. Sério! Mágica vira sentimento — magic turns into feelings — , transforma a gente de dentro pra fora. Afinal de contas o que mais pode explicar a emoção, a beleza, as sensações que uma música causa quando ela nos alcança? Aquele filme, aquele quadro, aquela peça que nos faz agradecer por tudo que já vimos… Mágica! A vida se torna mágica quando encontramos significado para coisas sem explicação, afinal de contas, mágica não se explica. Vemos e somos tomados de surpresa por algo que achávamos que não pudesse ser feito, somos tomados de assalto por algo lindo, inexplicável e que não se inclui no que já passou pela gente. Assim é a mágica.

São tantas coisas que são mágicas, são tantas possibilidades de se deixar levar por isso que às vezes ficamos fechados e, simplesmente, deixamos passar. Que a mágica de gostar de algo — algo que você nunca viu, nunca sentiu, tocou ou pensou existir — te alcance e te faça rir e chorar. Que te dê nó na garganta, frio na barriga… Que transforme sensações químicas em físicas. Que assim seja.

And we just met, just breathed, just saw each other. It was a lot of “just”, and — in the end — the magic was all we had. The magic of feelings, laughts, looks. The magic that happened when we weren´t waiting, when we were just living, just seeing, but not searching. And then, it finds us there, opened to feel and get. To heal and exchange. To feel something burn and the water caming to make us kind of normal again, waiting for the next momento… The next month… The next year… But not for the next life.