Eu gosto de escrever

Esse texto aqui é sobre mim e não-ficcção.

Eu escrevo desde que aprendi a escrever, risos. Meu primeiro diário foi no Jardim III e eu tinha 6 anos. Escrevia com frequência e continuo até hoje.

Muita gente acha estranho que eu ande com caderno de bolso (é pautado porque gosto de linhas) e basicamente acham estranho isso de escrever. Também acho estranho, mas como é necessidade, eu faço porque preciso.

Eu acho engraçado que talvez eu consiga dizer que prefiro deixar de comer ou de dormir do que deixar de escrever. Isso sim é estranho, por esse motivo eu fico só no “talvez”. A parte do dormir eu já passei por isso: dormir tarde porque estava precisando mesmo escrever muitas coisas. Eu realmente senti que estava precisando escrever BEM MAIS do que estava precisando dormir, apesar de os médicos dizerem que talvez o contrário me fizesse melhor.

Hm, nossa, parece admirável. Só que eu mesma — que vivo isso e sei como é — penso que é muito mais questão de alimentar meu ego do que outra coisa. Devo ter um ego morto de fome, aí eu escrevo para alimentá-lo. Porque: quer coisa mais egocêntrica do que pensar (eu estudei fundamentos de meditação e de yôga, enfim, depois falo sobre isso um dia talvez)? Quer coisa mais egocêntrica do que, não apenas pensar, mas escrever? Quer coisa mais egocêntrica do que PUBLICAR o que escreveu? Eu posso estar sendo ríspida, mas é assim que eu penso. Fico satisfeita que meu ego fique feliz com a escrita, porque eu poderia sentir outras necessidade retardadas, por exemplo, de explodir uma bomba atômica nos EUA, como o Kim Jong-un.

Então, fico feliz com a minha escrita! EEEEBAAA!!!!!!!!!

MÁRIO QUINTANA FALOU

Escrever… Mas por que? Por vaidade, está visto…
Pura vaidade, escrever!
Pegar da pena… Olhai que graça terá isto,
Se já se sabe tudo o que se vai dizer!…

— Mario Quintana — Da preocupação de escrever

Like what you read? Give Jaina Barreto a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.