Fim da propriedade intelectual é impossível

Copiar não é roubar?

Alguns libertários afirmam que propriedade intelectual não deveria existir em hipótese alguma para isto argumentam que a função da propriedade é resolver conflitos de escassez e que copiar uma informação não subtrai nada tangível de ninguém.

Pois bem, baseando-se neste argumento não podemos afirmar que deveriam haver restrições para impedir que alguém copiasse um tênis da nike por exemplo, com EXATAMENTE as mesmas características, inclusive com o mesmo nome pois “copiar não é roubar”.

Algum desavisado poderia dizer que neste caso o consumidor está sendo lesado pois ele crê estar comprando um tênis Nike da Nike inc legítima quando na verdade estaria comprando uma cópia do mesmo (Kinsella dizia isso).

Ora, vamos colocar na equação a percepção subjetiva do consumidor?
Neste caso teríamos que indenizar praticamente todos os consumidores pois em menor ou maior grau a propaganda é de modo geral uma forma de vender uma imagem irreal ao consumidor, e mesmo que restringíssemos as propagandas a serem meras descritoras de funcionalidades dos produtos ainda assim um consumidor pode alegar que foi induzido ao erro.

Com isto podemos concluir que um mundo absolutamente sem PI é impossível, ao menos teremos que ter registro de marcas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.