Crescer é uma droga.

É confuso, cheio de pegadinhas e ironias do destino no caminho… como se o universo estivesse se divertindo a suas custas para compensar o vazio e o tédio de ver tudo se repetindo, todos os humanos sendo iguais e passando por todos os problemas iguais em gerações diferentes.

Ok, não vou dissertar sobre como o mundo tem seus mistérios em nos educar e nos fazer crescer. Mas é inegável nossa mania de achar que somos diferentes e que a grama do vizinho é mais verde.

Somos iguais. Triste e irônica verdade.

Todo mundo passa noites sem dormir se perguntando o que vale ou não a pena. As inseguranças são as mesmas. Os pensamentos que guardamos achando que é inconveniente compartilhar, não são exclusivamente nossos. Alguém já os teve e também não expressou por alguma razão similar a sua.

Nós somos objetos com defeitos de fábrica sem nota para devolução. Somos imperfeitos tentando nos aperfeiçoar para impressionar pessoas que estão lutando a mesma batalha.

É, verdade seja dita. Eu me sinto sozinha e já perdir a conta de quantas noites virei tentando achar a resposta para todos os problemas do mundo ou apenas pensando na minha vida ordinária. E eu tento me identificar com todos a minha volta, criar laços e tornar minhas dúvidas em soluções.

E sei que alguém por aí também está fazendo o mesmo.