Eu não acho que a tristeza seja mesmo antônima à felicidade. A tristeza é incompreendida, e pouco valorizada pelo medo de se assumir. Não é como se as pessoas fossem alegres o tempo todo, certo?

Hoje eu tô meio pra baixo. Também pudera! Falta pouco pra eu me formar na faculdade, tenho trabalhado e estudado pra caramba sem a mínima noção do que me aguarda logo adiante. Ansiedades à flor da pele.

Com isso, não tenho muito tempo para gerir outra emoções. E gerir emoções exige certo jogo de cintura. Acaba que algumas propostas de relações precisam ficar em segundo (e, às vezes, em décimo) plano; e aí eu fico me sentindo sozinho.

Nem disse ainda do processo de construção da identidade. Esse é doloroso e exige algumas escolhas. Escolhas causam dor, e dor causam tristeza. Ponto. Tudo em prol do crescimento. Tudo buscando ser melhor e mais feliz. Então, vê só, faz algum sentido dizer que tristeza é oposta a felicidade? I don’t think so.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.