O Deus que pinta os feijões

“… não vamos falar dos lírios dos campos, dos pássaros ou de como acrescentar côvados à nossa estatura. Vamos falar de feijões!”

Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?
- Mateus 6:25

Creio que todos os cristãos conhecem este texto. Jesus ensinando os seus discípulos acerca da questão central da vida cristã: o Reino em primeiro lugar e a confiança no cuidado e proteção de Deus.

Mas não vamos falar dos lírios dos campos, dos pássaros ou de como acrescentar côvados à nossa estatura. Vamos falar de feijões!

Isso mesmo, você não leu errado e eu também não digitei errado. Vamos falar de feijões, mas não do “João e o pé de feijão”, vamos falar do Deus que pinta os feijões.


Entendendo a história

Antes de prosseguirmos temos que compreender de onde eu tirei essa ideia de feijão e Deus que pinta os feijões.

Pois bem, há alguns dias, após o almoço durante a tradicional conversa após a refeição reparei que havia alguns grãos de feijão que tinham caído sobre a mesa.

Foi então que eu percebi algo que nunca havia visto, na realidade não sei qual era a variedade daquele feijão, mas sei que admirei o seu padrão de cor, cada um com uma listra única, com variações e formas completamente diferentes.


O Deus que pinta os feijões

Quando Jesus exorta seus discípulos acerca do cuidado que Deus tem pelos seus filhos Ele procura mostrar que, assim como um Pai cuida de seus filhos, o Senhor cuida, nos mínimos detalhes, de sua criação e, em especial, de Seus filhos.

Embora o pecado original tenha provocado estragos irremediáveis neste mundo e que eles só serão eliminados no fim dos tempos, sabemos, no entanto, que ainda assim toda a natureza, sua beleza e complexidade demonstram a boa mão do Senhor. A cada pôr do sol sempre penso “Deus se superou novamente, mais uma pintura celeste diferente”.

E o mesmo aconteceu quando olhei para aqueles feijões pequeninos, perfeitos, pintadinhos, cada um diferente do outro. Naquele momento senti como se Deus estivesse falando ao meu coração: “Veja, eu cuido de cada detalhe da natureza, de cada cor, forma e textura, então não se preocupe eu estou cuidando de você”.

Aqueles pequenos feijões me mostraram o tamanho de Deus, parece antagônico, mas sim, aqueles pequenos feijões pintados me mostraram o quão detalhista Ele é e me fez pensar que, se Deus pinta os feijões (cada um diferente do outro), quão bondoso e poderoso Ele é para cuidar de mim.

Diante disso me recordo, novamente, do texto de Mateus 6:34.

Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.

Não preciso me preocupar com o dia de amanhã, pois não sei o que vai acontecer amanhã. O amanhã pertence ao Senhor Deus, ao maravilhoso Deus que pinta os feijões, um diferente do outro. Se Ele cuida deste mundo caído, Ele está cuidado de mim.


Você já parou para pensar quão cuidadoso e bondoso Ele é!? O Deus que pinta cada feijão diferente, cuida de mim e de você!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.