You

Toda vez que eu decido te deixar para trás, você aparece de alguma forma. Num sonho, em uma lembrança, nas visualizações do meu Instagram. E isso é um saco, sou vulnerável quando o assunto é sobre nós, ou melhor, o que eu criei sobre nós. Posso dizer que a culpa foi completamente minha em me iludir, mas, como relevar o teu ato aquele dia na rodinha quando eu disse para o nosso amigo que, se alguém fosse afim de mim e me mandasse certa mensagem eu piraria e você, mandasse o que eu havia acabado de falar em mensagem para mim?

Mas eu fui bem babaca. Fiz coisas por você que hoje, olhando para trás, vejo quão idiota eu era. Sair do cursinho dizendo estar passando mal, só pra estar na tua presença. Te esperar uma fuckin hora todos os dias só para pegar o mesmo ônibus contigo. Ou esquecer o meu fone de ouvido de propósito só para ouvirmos música juntos. Tirando o dia em que, eu atravessei o centro inteiro quando você disse “vem pegar o ônibus no mesmo ponto que eu”. O prêmio de mais otária vai para: eu.

O pior dia da minha vida, foi quando eu decidi tomar coragem de dizer o quanto eu gostava de você. Estava com o coração na boca e eu precisei ir no banheiro chorar, porque depois de tudo que eu escrevi, você só soube dizer “vai pegar o mesmo ônibus comigo?” e no fim das contas, fingir que nada tinha acontecido.

Não satisfeito, você me chamou para ir ao cinema. Pensei: vou ter o primeiro encontro com o cara que eu tô gostando. Lembro como se fosse ontem, você falando que eu era a primeira garota que te fazia esperar. Adivinha quem foi feita de trouxa, mais uma vez? Você não teve a capacidade de cumprir com a tua palavra de me levar até o portão do meu prédio, cara. Você mexeu na porra do celular, no meio da sessão. Você estragou a cena de primeiro encontro que eu tinha em mente. Obrigada.

Desde que coloquei um fim nisso, fracassei diversas vezes, como a última vez que eu te vi - e fiz questão de te ver -, em que você me deu um beijo na mão e me contou o quão “pra casar” você era, cheguei em casa pensando na possibilidade de ficarmos juntos, quem sabe um dia.

Mas não.

Acho que já te superei em partes. Não choro mais em músicas do Onze:20 e das diversas vezes que eu saí de tarde da faculdade, nenhuma delas eu quis esperar o teu ônibus. Hoje eu sei que eu mereço muito mais do que você pode oferecer. Por que você não foi homem o suficiente para dizer que não queria nada. Ou só para dizer pra que eu parasse de ser trouxa. Mas sabe qual é o maior problema? São as malditas formas que você sempre volta pra minha vida, cara.

Eu não quero te bloquear. Eu quero olhar pra tua foto em qualquer rede social da mesma forma que eu olho para qualquer uma. Quero não sentir absolutamente nada ao te ver nas visualizações do stories. Não quero sentir medo ou frio na barriga se eu souber que tenho a possibilidade de pegar o mesmo ônibus que o teu, por que eu vou ter te esquecido e nem vou pensar nisso.

De acordo com os meus estudos, uma vez na vida, existe a possibilidade de se apaixonar por alguém babaca. Acho que eu já tive a minha vez.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.