Não é sempre que se pode rir
não é sempre
mas é quase
Quase sempre que posso vejo
sempre que deixam
contemplo
E nunca canso de ver
quando se revelam
a mim
Reluzentes
alegres e suficientes
Adequado
empolgante e feliz
Um sorriso que estampa
o peito
Um frescor que encanta
a alma
O prazer que me faz viver
Quase escuto seu som
quase exergo reflexo
Quem me dera ser o espelho
quem diria que um dia seria
Alguém poderia à noite dormir
na alegria de lhe ver sorrir
Meu prazer é fazer assim
por convicto e dedicado
provocando e causando
o sorriso que lhe cai bem

Like what you read? Give Jansen Leiros Jr. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.