Viva o desapego! Pratique o desapego! Hoje em dia tem até best-seller ensinando a não se apegar. O desapego precisa existir, mas o conceito aplicado a isso hoje em dia está um pouco deturpado. Falo de Desapego como independência, porque senão toda aquela felicidade em detrimento do apego gera sofrimento. Da pra entender? Imagine que você ganha uma bolsa maravilhosa que atende todas as suas necessidades, tem bolso que encaixa certinho seu celular, sua carteira, suas chaves e seu notebook. Além, disso tem um compartimento para os seus lanches ficarem sempre frescos. Ou seja, parece que foi fabricada pra você. Imagina que essa bolsa facilita a sua vida e ainda combina com todas as suas roupas. Não existe problema algum em querer usá-la e estar radiantemente feliz com aquela bolsa. O problema está em condicionar a sua felicidade a isso e depender dela pra ser feliz. Não conseguir sair sem a bolsa ou estar sem ela. Sabe?! Não é justo com você e muito menos com a bolsa. Nunca permita que a sua felicidade dependa de algo que você possa perder. Imagina que você a perde? Você precisa ser feliz mesmo sem ela. Antes de ganha-la sua vida funcionava e você era feliz também, por mais que você tenha passado uma vida com aquela bolsa, existe sim, memorias sem ela. É triste perder algo que a gente gosta muito e que nos faz feliz, sim! Demais! Dói na alma. Mas o sofrimento pela perda da bolsa só vem se você estiver viciado nela. Assim são as relações e as pessoas. O medo de perder precisa existir da forma mais saldável possível, pra que o outro seja cuidado, amado e valorizado, nada a mais que isso. Esse medo não pode virar posse, porque a posse leva a dependência e a dependência leva ao medo de perder, e assim se mantem o círculo catastrófico de roubar a liberdade do outro pra que você seja sempre feliz. Isso não é amor, amor é quando você pode voar pra qualquer lugar, mas se mantem ali, fiel a sua própria liberdade de ir e vir. Agora que você já sabe o real sentido do desapego, pratique-o. Se você procura alguém que te completa, você só é metade em busca de outra metade que se por ventura por embora, leva parte de ti. Seja inteiro e ache alguém que te transborde.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.